Reajuste de R$ 0,10 no diesel divide caminhoneiros e parte da categoria ameaça greve

18/04/2019 08:55

Algumas reclamações giram em torno do valor do frete, que continua subindo, assim como os custos

Publicidade

A alta de R$ 0, 10 no litro do diesel informada pela Petrobras, na noite dessa quarta-feira, 17 de abril, dividiu os caminhoneiros no país. Parte da categoria já está em articulações para uma nova paralisação até o final deste mês. Outra parcela pede para que o movimento não ocorra. Há especulações entre lideranças de que a pausa aconteça em até 10 dias. Algumas reclamações giram em torno do valor do frete, que continua subindo, assim como os custos.

O caminhoneiro Josué Rodrigues, um dos líderes na Região Norte, enviou uma mensagem à Onyx Lorenzoni, ministro-chefe da Casa Civil, alertando que se não houver congelamento no valor do diesel e se o frete não for tabelado, uma greve da categoria pode novamente parar o país. Ele afirma: "Se não fizer valer o piso mínimo do frete, nós vamos parar, não tem jeito. Se não agir antes do dia 21 de maio vai ter uma paralisação sangrenta, pode ter certeza”.


Greve dos caminhoneiros

Medidas tomadas pelo governo dividiu opiniões dos caminhoneiros - Foto: Valter Campanato/Arquivo Agência Brasil

Apesar dos ânimos exaltados, outros caminhoneiros ponderam que a situação atual do país, em que “está todo mundo quebrado", não é passível de uma nova mobilização da categoria. A afirmação é de Bruno Tagliari, uma das lideranças do Sul. No caso dele, caso houvesse uma nova greve, não seria possível arcar com suas despesas fixas, que chegam à casa de R$ 6 mil mensais.


Mesmo que o cenário não esteja favorável, alguns caminhoneiros querem aguardar um pouco mais e dar tempo para Bolsonaro, conforme diz Ivar Luiz Schmidt, do Comando Nacional do Transporte (CNT) no Nordeste. A ala diz aguardar que se faça algo para a categoria, uma vez que grande parte deles é eleitor do presidente. Há informação de que motoristas pretendem reunir lideranças para conversar com políticos no Planalto.

Atualizada 11h34



Publicidade