Injeções para emagrecer: uma análise sobre um ano de uso contínuo

Medicamentos para perda de peso desafiam percepções sobre obesidade

Por Plox

18/05/2024 09h07 - Atualizado há 24 dias

O uso contínuo de medicamentos para emagrecer revelou que a compreensão da obesidade precisa ser revista. Embora esses remédios levem à perda de 10 a 20% do peso corporal, a sociedade ainda luta com a moralidade e a aceitação desses métodos.

(REPRODUÇÃO/RECORD - 13.08.2023)

Impacto dos medicamentos e a questão da saciedade

Desde a adolescência, sonhava em perder peso. Quando passei de 92 kg para 73 kg em um ano, tomando uma injeção para emagrecer, me senti como se estivesse trapaceando. Nos Estados Unidos, mais de 70% das pessoas estão acima do peso e 47% dos entrevistados em uma pesquisa recente disseram que pagariam pelos novos medicamentos para emagrecer. Esses remédios promovem uma perda média de 10 a 20% do peso corporal, e as próximas gerações prometem até 24%. No entanto, o uso crescente dessas drogas está acompanhado de uma vergonha social intensa.

A mudança na dieta e a perda de saciedade

A principal razão para o aumento da obesidade é a transformação radical na dieta ao longo das últimas décadas. Meu pai cresceu com alimentos frescos na Suíça, enquanto minha dieta nos subúrbios de Londres consistia principalmente de alimentos processados. Estudos mostram que alimentos ultraprocessados, que representam 67% da alimentação das crianças americanas, retardam ou até anulam a sensação de saciedade, levando ao consumo excessivo.

Um experimento com ratos, realizado pelo neurocientista Paul Kenny, ilustra bem isso. Ratos alimentados com uma dieta americana cheia de bacon, chocolate e cheesecake rapidamente se tornaram obesos e perderam o interesse por alimentos saudáveis. Esse comportamento, denominado "Parque do Cheesecake", reflete nossa realidade, onde alimentos processados impedem a sensação de saciedade, gerando a necessidade dos novos medicamentos que funcionam justamente aumentando os hormônios da saciedade.

Reflexão sobre a moralidade e os medicamentos para emagrecer

A sociedade muitas vezes trata a obesidade como uma falha moral individual, ignorando o papel fundamental da indústria de alimentos. Sentia-me um fracasso por ser obeso, mas a verdadeira competição deveria ser entre nós e a indústria alimentícia, não entre indivíduos que tomam ou não remédios para emagrecer. Michael Lowe, da Universidade Drexel, descreve os medicamentos como “uma solução artificial para um problema artificial”.

Benefícios e riscos dos medicamentos para emagrecer

Os novos medicamentos oferecem benefícios significativos, como a redução dos riscos de câncer, doenças cardíacas e diabetes, semelhantes aos observados após cirurgias bariátricas. No entanto, também existem preocupações, como o aumento do risco de câncer de tireoide e a diminuição da massa muscular. É essencial avaliar essas evidências cuidadosamente.

Destaques