“Usiminas Mobiliza pelo Trabalho”, programa é apresentado oficialmente em Ipatinga

18/09/2019 11:37

Publicidade

Depois dos resultados obtidos com as iniciativas de recuperação de estradas rurais e revitalização de nascentes, a Usiminas lança uma nova frente de ações para as comunidades vizinhas às suas operações. O “Usiminas Mobiliza pelo Trabalho”, programa apresentado oficialmente nesta terça-feira (17) em Ipatinga, integra a plataforma de ações de responsabilidade socioambiental da companhia e oferece uma oportunidade de trabalho para os apenados do presídio de Timóteo.

Foto: Marcelo Augusto / PLOX20190917 150244

A primeira iniciativa dessa frente é o projeto Novos Caminhos, uma parceria entre a empresa, a Prefeitura Municipal de Timóteo e o presídio de Timóteo, com o apoio da Fiemg Regional Vale do Aço, da Associação dos Municípios do Vale do Aço (AMVA) e da Precomol, fabricante de blocos e pré-moldados instalada na região. O acordo prevê que a Usiminas forneça, sem ônus, o agregado siderúrgico e a Precomol repasse a metodologia de produção. Um grupo de 19 apenados aptos para participar foi capacitado pela Fiemg e a prefeitura, em parceria com outras entidades, assumiu a implantação da fábrica no presídio. A iniciativa também é apoiada pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Secretaria de Estado de Administração Prisional, Juizado Cível de Timóteo e APAC – Associação de Proteção e Assistência aos Condenados.

Os apenados irão trabalhar fabricando blocos intertravados, manilhas, mourões e outras peças pré-moldadas a partir do agregado siderúrgico doado pela companhia. Os blocos serão repassados para a prefeitura da cidade e utilizados no calçamento de ruas e praças. As peças produzidas a partir do agregado siderúrgico têm um custo final cerca de 50% inferior aos similares encontrados no mercado, representando uma economia importante para o Poder Público. Ao mesmo tempo, o projeto dá destinação ambientalmente correta para o material e permite que os apenados aprendam um ofício e possam reduzir o tempo de pena por meio do trabalho. A legislação prevê a remissão de 1 dia de pena para 3 dias trabalhados.

Foto: Marcelo Augusto / PLOX20190917 143826

“Essa iniciativa reúne os três pilares da sustentabilidade – ambiental, social e econômico – e mostra como uma atuação conjunta entre diferentes atores pode trazer benefícios efetivos para a sociedade e mudar para melhor a realidade das nossas cidades”, ressalta Sergio Leite, presidente da Usiminas.

Foto: Marcelo Augusto / PLOX20190917 143656

O prefeito de Timóteo Douglas Willkys, por sua vez, agradeceu a Usiminas e demais empresas e instituições pela parceria e oportunidade de contribuir com a ressocialização de presos por meio do trabalho. “Essa iniciativa também abre a possibilidade de resolvermos uma demanda histórica por calçamento de ruas e o conserto de calçadas em nosso município de uma forma sustentável e economicamente viável”, pontuou Douglas.

Foto: Marcelo Augusto / PLOX20190917 144336 5

Foto: Marcelo Augusto / PLOX20190917 144342

A produção dos blocos no Presídio de Timóteo já começou. Mensalmente, serão destinadas ao projeto cerca de 50 toneladas de agregado siderúrgico e a previsão é que a produção de blocos gire em torno de 750 m². Até o início do mês de outubro, os primeiros lotes fabricados começarão a ser aplicados em obras públicas da cidade.

Blocos Intertravados

Em uma iniciativa pioneira no país, a Usiminas começou a utilizar, em 2017, blocos de calçamento – ou intertravados – produzidos a partir do agregado siderúrgico. O material é um coproduto gerado no processo produtivo do aço e suas propriedades permitem substituir a areia, pó de brita e a brita empregados na fabricação das peças. Inicialmente, os blocos foram utilizados em dois projetos pilotos, em Ipatinga, o calçamento do estacionamento do Hospital Márcio Cunha e o canteiro central da Avenida 5, na Usina de Ipatinga.

Foto: Marcelo Augusto / PLOX20190917 144400

Para chegar ao produto final, foram cerca de dez meses de pesquisas e testes para se alcançar a mistura ideal entre o agregado e as demais matérias primas. “O bloco tem que atender a especificações mercadológicas, ambientais e apresentar uma resistência mecânica alta”, esclarece Henrique Hélcio Eleto, coordenador do Grupo de Trabalho Coprodutos da Usiminas.

Além de ser uma opção econômica e de qualidade, o bloco traz uma série de outros benefícios ambientais e econômicos. O uso do agregado siderúrgico substitui recursos naturais finitos, reduzindo a necessidade de extração da natureza. Soma-se, ainda, a redução do volume de agregado siderúrgico enviado para aterros ou depósito e a permeabilidade do material, o que possibilita a infiltração da chuva no solo. Do ponto de vista econômico, a fabricação e comercialização dos blocos abre uma nova frente de negócios na região.

A fabricação de blocos e outras peças pré-moldadas é apenas mais uma das soluções desenvolvidas pela Usiminas para dar destinação correta ao agregado siderúrgico, coproduto gerado durante a produção do aço. Por anos, o material foi encaminhado a aterros até que, há cerca de cinco anos, pesquisas desenvolvidas pela companhia mostraram que o material oferecia um grande potencial de aproveitamento em outras atividades.

A primeira ação de grande porte desenvolvida foi o Usiminas Mobiliza pelos Caminhos do Vale, que destina o agregado siderúrgico para a recuperação de estradas rurais. Em pouco mais de quatro anos, a iniciativa saltou de quatro para 54 municípios participantes e já foi responsável pela recuperação de mais de 2 mil quilômetros de vias, beneficiando cerca de 1,3 milhão de pessoas, entre eles estudantes e produtores rurais que têm acesso garantido a mercados, feiras e escolas mesmo durante o período chuvoso.

Além da recuperação das estradas, a iniciativa da Usiminas traz outra forma de benefício para as comunidades participantes, o engajamento pela preservação da água. Como contrapartida à doação do material pela Usiminas, as cidades participantes realizam a recuperação de nascentes e outras iniciativas socioambientais, com a participação das comunidades diretamente beneficiadas e também estudantes da rede pública de ensino. O resultado, até o momento, é a identificação, revitalização e proteção de mais três mil nascentes e a criação do programa Usiminas Mobiliza Todos pela Água.

As ações da plataforma Mobiliza são exemplos recentes de uma atuação iniciada ainda durante a fundação e início das operações da Usiminas no Vale do Aço.  A companhia mantém 3,3 mil hectares de áreas preservadas, e possui um viveiro de mudas instalado dentro de Ipatinga. A área verde ocupa 180 hectares e foi toda plantada pela empresa em um antigo pasto adquirido ainda na década de 1960.  A cada ano, de lá, saem cerca de 25 mil mudas que são usadas na arborização das áreas da Usiminas, recuperação de nascentes e mata ciliares e doadas para prefeituras e para a comunidade por meio de diversas campanhas solidárias ao longo do ano. Desde sua criação, mais de 3 milhões de mudas cultivadas no espaço ajudaram a recuperar áreas e contribuíram para transformar a então paisagem de Ipatinga em uma cidade com uma extensa área verde.



Publicidade