Coronavírus: Zema e secretários esclarecem medidas e impactos em MG

19/03/2020 08:19

O governador mineiro tirou dúvidas de jornalistas e falou sobre as ações para desacelerar a epidemia no estado 

O governador Romeu Zema esclareceu, na tarde dessa quarta-feira (18), as principais medidas adotadas pelo Estado até o momento para conter a epidemia do coronavírus em Minas Gerais. O pronunciamento foi transmitido ao vivo nas redes sociais, como forma de evitar aglomerações físicas, e contou com a presença do secretário de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, do secretário de Justiça e Segurança Pública, general Mario Araujo, e da secretária-adjunta de Planejamento e Gestão, Luisa Barreto.  

Além de tirar dúvidas de jornalistas sobre as ações do Estado na contenção do vírus e dos impactos provocados pela crise, o governador reforçou a importância de a população se implicar adotando medidas preventivas. Ele fez um pedido, especialmente aos jovens, para que redobrem os cuidados e contribuam para preservar a saúde dos grupos de risco. 

“Tenho estudado intensamente o que tem acontecido em outros países que deram errado, como é o caso da Itália, em que já foram registradas milhares de mortes. O que acontece, muitas vezes, é que o jovem tem o sistema imunológico muito mais forte, então ele contrai o vírus e às vezes não apresenta nenhum sintoma, podendo transmitir para seus pais, seus avós, tios-avós e outros parentes mais velhos, até mesmo sem saber. Então, o jovem, principalmente, precisa ter um zelo maior. E vale lembrar que, infelizmente, no Brasil não temos acesso a exames em massa, e eles já estão em falta. Então, um jovem, mesmo que tenha sintomas, talvez tenha dificuldades para fazer exames e ter a certeza de que contraiu o vírus. Por isso, o ideal é se preservar”, disse.  

 

zemaFoto: divulgação
 

Romeu Zema também fez um apelo aos prefeitos, para que atuem junto ao Executivo estadual de acordo com as demandas específicas de cada região. “Cada cidade tem as suas particularidades, e cada prefeito tem de não só ser o exemplo, mas também tomar ações locais, principalmente no que diz respeito ao funcionalismo público, às escolas municipais, a tudo o que está sob sua gestão. O trabalho do setor público estadual é importante, mas o do prefeito também. Ele está muito mais próximo da população e tem muito mais condição de acompanhar aquilo que efetivamente acontece e está afetando a sua cidade”, destacou. 


Veja abaixo alguns trechos das explicações dadas pelo Executivo mineiro acerca das ações relacionadas ao Covid-19: 

O governador disse também que o governo deverá adotar medidas para diminuir a taxa de ocupação dos leitos de UTI em Minas Gerais.

“Hoje, no Sistema Único de Saúde do Estado, nós temos aproximadamente 2.800 leitos de UTI's e a taxa de ocupação desses leitos, em tempos normais, é de aproximadamente 73%. Nós já vamos iniciar medidas que vão fazer com que essa taxa de ocupação diminua, porque muitas cirurgias são planejadas. Ou seja, quem está agendado para operar na semana que vem, muitas vezes pode esperar para ser operado numa data mais à frente. Nós queremos que mais leitos de UTI's fiquem disponibilizados neste momento complicado, em que o número de demandas deve subir muito”. 

O Governador disse ainda sobre valores destinados à Saúde

“Estamos recebendo do governo federal em torno de R$ 40 milhões, que serão, nessa primeira fase, destinados a termos condição de arcar com o aumento da demanda e os custos de CTI e alas hospitalares. Dentro do Estado, estamos identificando a melhor forma de fazer repasses aos municípios de forma que estimulemos a atenção primária para controlar os pacientes com doenças leves. Além disso, estamos recebendo 50 leitos de CTI do governo federal, que serão montados no sistema da Fhemig”.  
 



Publicidade