Adolescente apreendido por atear fogo em Fabriciano diz estar revoltado com o Estado

19/06/2019 08:31

Durante rastreamento o indivíduo foi detido na escola Alberto Giovannini

Publicidade

Na manhã desta terça-feira (18), a Polícia Militar de Coronel Fabriciano-MG apreendeu um adolescente de 17 anos após ele atear fogo em um carro próximo à Prefeitura e na secretaria da Escola Estadual Alberto Giovannini. 

Segundo o próprio jovem, o objetivo dele era ser retirado de sociedade para que ele fosse internado. Em conversa com o PLOX, o detido ainda afirmou estar revoltado com a situação do Estado, além de achar que a própria vida não tem sentido. “Eu falei sobre isso no meu Facebook e em uma página que eu criei. O Estado e as indústrias estão uma porcaria. Estou extremamente revoltado e minha vida também não é muito boa, então eu não tinha nada a perder”, disse.

Foto: PLOXWhatsApp-Image-2019-06-18-at-11.19

A diretora da escola em onde o adolescente ateou fogo contou à reportagem como era o comportamento do aluno e se diz surpresa com o que aconteceu. “Ele é um bom aluno. Tirava notas altas, gostava muito de ler. Por isso ninguém desconfiou quando ele entrou na biblioteca, pois era um hábito dele. Agora a gente fica com medo de que possa acontecer outras situações dessa e que termine de forma pior”, afirmou Sônia Auxiliadora.

O jovem também afirmou que espalhou artefatos com pólvora em alguns pontos da cidade, antes de se dirigir à prefeitura de Fabriciano. Segundo ele, um foi deixado na rodoviária e outra em uma agência da Caixa Econômica Federal. O Tenente Coronel Warley, da Polícia Militar, disse que a polícia estava ciente dos artefatos e os locais foram isolados para que o BOPE pudesse recolher e desativar os objetos, que não ofereceram risco algum.

Foto: PLOXdhj


 



Publicidade