Expectativa de crescimento da economia aumenta para 2,14% neste ano

A previsão divulgada anteriormente, de 1,84, subiu mais de 0,20%

Por Plox

19/06/2023 16h04 - Atualizado há 10 meses

As projeções para a economia brasileira são promissoras, de acordo com o mais recente boletim Focus divulgado pelo Banco Central (BC). Este documento, que apresenta uma pesquisa semanal sobre os principais indicadores econômicos, revelou um aumento na expectativa de crescimento da economia do país pela sexta vez consecutiva. A previsão subiu de 1,84% para 2,14%.

O Produto Interno Bruto (PIB), que representa a soma total de bens e serviços produzidos no país, é esperado para crescer 1,2% no próximo ano. Além disso, o mercado financeiro projeta uma expansão contínua do PIB para os anos de 2025 e 2026, com crescimentos de 1,7% e 1,99% respectivamente.

Foto: José Cruz/ Agência Brasil

 

Em termos de inflação, a previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) - a inflação oficial do país - também está em queda. A estimativa caiu de 5,42% para 5,12% para este ano. Para 2024, a previsão de inflação é de 4%, diminuindo ainda mais para 3,8% em 2025 e 2026.

No entanto, a estimativa de inflação para este ano está acima do teto da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). A meta estipulada para 2023 é de 3,25%, com uma margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Isso significa que a inflação poderia variar entre 1,75% e 4,75%. Segundo o último Relatório Trimestral de Inflação do BC, há uma probabilidade de 83% da inflação oficial superar o teto da meta em 2023.

Para 2024, a projeção de inflação do mercado está acima do centro da meta, que é de 3%. No entanto, ainda se mantém dentro do intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a inflação medida pelo IPCA em maio foi de 0,23%, influenciada por ajustes no setor de saúde e cuidados pessoais. Este índice representa uma diminuição em relação à taxa de abril, que foi de 0,61%. Além disso, o IPCA acumulado em 12 meses ficou em 3,94%, continuando a tendência de queda que vem sendo registrada desde junho de 2022, quando o índice alcançou o patamar de 11,89%.
 

Destaques