El niño pode elevar inflação alimentar no Brasil, alerta Copom

Banco Central reafirma estratégia de redução cautelosa da Selic em meio a preocupações climáticas

Por Plox

19/12/2023 10h13 - Atualizado há 5 meses

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, em sua recente ata publicada nesta terça-feira (19/12), destacou um aumento nos impactos previstos do fenômeno El Niño sobre a inflação de alimentos no Brasil. Este alerta ocorre após a reunião de novembro, onde o comitê inicialmente considerou um impacto menor, mas reconheceu o potencial de um fenômeno mais extremo afetar a inflação.

 

Paralelamente, o Copom comunicou avanços no combate à inflação, mas enfatizou a necessidade de uma trajetória cautelosa na política monetária para ancorar as expectativas de inflação e alcançar as metas estabelecidas. Segundo o comitê, "há um caminho longo a percorrer para a ancoragem das expectativas e o retorno da inflação à meta, o que exige serenidade e moderação na condução da política monetária".

 

Além disso, o Copom abordou a inclusão de cenários diversos, como a dinâmica fiscal e o cenário externo, na determinação da taxa de juros, enfatizando que estes são considerados através de seus impactos na dinâmica prospectiva de inflação.

 

Na última quarta-feira (13/12), o Copom anunciou a redução da taxa básica de juros (Selic) em 0,5 ponto percentual, atingindo 11,75% ao ano, a menor desde março de 2022. Esta decisão, apoiada unanimemente pelos nove membros do colegiado, marcou o quarto corte consecutivo de mesma magnitude. O comitê se comprometeu a manter esse ritmo de queda nas próximas reuniões, indicando uma continuidade da estratégia adotada desde agosto, quando iniciou a flexibilização de juros. As próximas reuniões estão agendadas para 30 e 31 de janeiro e 19 e 20 de março de 2024.

 

 


 

Destaques