Jair Renan, filho de Bolsonaro, é indiciado pelo Ministério Público por lavagem de dinheiro

Entre julho de 2021 e julho de 2022, a empresa teria declarado um faturamento de R$ 4,6 milhões, utilizado para a obtenção de empréstimos que somam R$ 698 mil, distribuídos em três ocasiões

Por Plox

20/03/2024 16h54 - Atualizado há 3 meses

Jair Renan Bolsonaro, filho do ex-presidente, foi denunciado pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) sob acusações de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e uso de documento falso. O inquérito aponta que ele teria fornecido informações falsas em documentos de sua empresa, Bolsonaro JR Eventos e Mídia, para adquirir empréstimos bancários que permanecem inadimplentes.

Foto: Reprodução/ Redes Sociais 

Entre julho de 2021 e julho de 2022, a empresa teria declarado um faturamento de R$ 4,6 milhões, utilizado para a obtenção de empréstimos que somam R$ 698 mil, distribuídos em três ocasiões. A investigação revela que, além de Jair Renan, outras três pessoas estariam envolvidas em atividades criminosas, incluindo o instrutor de tiros e sócio da empresa, Maciel Alves de Carvalho, visando benefícios financeiros através da inserção de dados inverídicos em documentos oficiais.

A empresa, criada em 2020 e especializada na organização de eventos, chegou a usufruir de um camarote no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha durante a Copa de 2014, mas atualmente está registrada como encerrada na Receita Federal. As acusações se estendem à obtenção fraudulenta de empréstimos e tentativas de sonegação fiscal.

Em dezembro de 2023, o Santander iniciou um processo judicial contra Jair Renan e a Bolsonaro JR Eventos e Mídia, cobrando uma dívida de R$ 360,2 mil relacionada a um empréstimo anterior. O acordo de parcelamento da dívida, que não foi honrado, elevou o montante devido.

Tanto Jair Renan quanto Maciel Alves de Carvalho negam as acusações, com suas defesas prevendo a absolvição. O caso, ainda em sigilo, segue sem comentários das partes envolvidas.

Destaques