50 anos após o homem ir à lua, muitos não acreditam

20/07/2019 11:40

Os astronautas receberam diretamente de seu planeta natal as palavras de congratulações do então presidente americano

Publicidade

Há exatos 50 anos, no dia 20 de julho de 1969, o homem pisava pela primeira vez o solo lunar. Coube a Neil Armstrong esse “pequeno passo para o homem, mas um grande salto para humanidade“, tal como as próprias palavras desse astronauta americano, no espaço.

A possibilidade do homem pisar no solo lunar é tida por muitos, até hoje, como impossível. Para muitas pessoas, isso nunca ocorreu. A lua ocupa o imaginário popular. É companheira dos amantes, que debaixo de seu brilho relatam e vivem menções dos poetas, dos compositores, que tem nesse satélite natural do planeta terra, uma inspiração.

astronauta

Neil A. Armstrong, Michael Collins e Edwin E. "Buzz" Aldrin em foto oficial  divulgada pela NASA, da tripulação da Apollo 11


Essa é a lua, que para muitos nunca foi e nunca será alcançada. Mas existem provas e irrefutáveis de que homem realmente pisou em solo lunar. Uma das coisas que colaboram para essa afirmação é que, mesmo no auge da famosa guerra fria entre Estados Unidos e União Soviética, os russos, adversários declarados dos norte-americanos, reconheceram que de fato perderam essa corrida. Eles admitiram que um americano foi o primeiro a alcançar esse pedaço do infinito céu.


Uma bandeira dos EUA foi “plantada” em solo lunar.  Armstrong se encarregou de deixar uma placa escrita bem ao lado do símbolo da superioridade americana naquele momento.

homem na luaNeil e Buzz no momento em que colocaram a bandeira dos EUA — Foto: Divulgação/Nasa

"Aqui, homens do planeta Terra pisaram pela primeira vez na Lua em julho de 1969 d.C. Viemos em paz por toda a humanidade". Nela, a assinatura dos tripulantes da Apollo 11, nave que os levou até lá, e de Richard Nixon, então presidente dos EUA.

homem na luaApós um "passeio" pelo solo lunar, os astronautas voltaram para o módulo  — Foto: Divulgação/Nasa

A segunda pessoa

O primeiro astronauta, Neil Armstrong, entrou para a história como quem descreveu a importância do acontecimento. Já seu colega, Buzz Aldrin, piloto do módulo lunar da missão Apollo 11 e segundo homem a tocar a lua, descreveu como foi essa sensação.  "Você precisa de um tempo para entender onde está seu centro de massa. Às vezes precisa dar dois ou três passos para ter certeza que tem um chão aqui", declarou.

Em seguida, os astronautas receberam diretamente de seu planeta natal as palavras de congratulações do então presidente americano. 


"Neil e Buzz, estou falando com vocês por telefone do Salão Oval, na Casa Branca. Esse certamente tem que ser o telefonema mais histórico feito por aqui. Eu simplesmente não posso dizer o quanto estamos orgulhosos do que vocês fizeram. Para cada americano, este tem que ser o dia que mais traz orgulho em nossas vidas. E para as pessoas de todo o mundo, tenho certeza de que eles também se unem a nós ao reconhecerem que grande conquista é esta. Por esta conquista, os céus se tornaram parte do mundo do homem. Vocês nos falam de um mar de tranquilidade, nos inspiram a redobrar nossos esforços para trazer paz para a Terra. Um momento inestimável em toda a história do homem, todas as pessoas neste planeta são verdadeiramente uma só; únicas no orgulho pelo que vocês fizeram, e únicas em nossas orações de que retornarão com segurança à Terra."

E se desse errado?

Tudo entrou para a história como um momento a ser comemorado, mas dados do Arquivo Nacional dos EUA revelam que o presidente Richard Nixon tinha se preparado para dar qualquer notícia, mesmo que fosse uma tragédia. 

Veja, nesse vídeo, como foi a transmissão da TV

No discurso,  já preparado, Nixon falaria da morte dos astronautas na Lua. “O destino quis que os homens que foram à Lua para explorar em paz ficassem na Lua para descansar em paz”, diria o presidente durante a transmissão na TV, que alcançou a marca assustadora de cerca de meio bilhão de telespectadores.
O discurso ainda traria essas palavras: “Nos tempos antigos, os homens olhavam as estrelas e viam seus heróis nas constelações. Nos tempos modernos, nós vamos fazer o mesmo, mas nossos heróis serão homens épicos de carne e osso”, diria o presidente caso a missão tivesse fracassado.
 
 
Trump recebe astronautas
 
Como um dos eventos da celebração dos 50 anos do primeiro pouso lunar, o presidente americano Donald Trump recebeu no Salão Oval da Casa Branca os astronautas sobreviventes daquele dia histórico.
 

trumPresidente Trump durante comemoração (Foto: Reprodução/YouTube/@WhiteHouse)

 

Aldrin e Michael Collins, e parentes de Neil Armstrong, já falecido, ouviu Trump reafirmar que os Estados Unidos pretendem agora levar o homem a marte.
 



Publicidade