Prefeitura de BH implanta sistema avançado de segurança com câmeras inteligentes

Iniciativa busca aumentar a segurança em Belo Horizonte com uso de tecnologia de Inteligência Artificial em monitoramento

Por Plox

20/12/2023 14h59 - Atualizado há 4 meses

A cidade de Belo Horizonte está passando por uma significativa atualização em seu sistema de segurança pública. A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) anunciou, nesta quarta-feira, 20 de dezembro, a instalação de 1.223 novas câmeras de segurança equipadas com Inteligência Artificial (IA). Estas câmeras, parte do projeto "Monitoramento 3.0", oferecem funcionalidades avançadas, como a criação de cercas virtuais em monumentos e áreas protegidas, identificação de objetos abandonados em locais públicos e emissão de alertas automáticos ao reconhecerem atividades criminosas.

 

Foto: Amira Hissa/ PBH

Implementação Gradual e Estratégica

As primeiras 462 câmeras já estão sendo instaladas no centro da capital, integrando o projeto de revitalização "Centro de Todo Mundo". Até fevereiro, mais 357 equipamentos serão adicionados, visando a segurança do Carnaval 2024. A terceira fase, prevista para julho, agregará mais 404 câmeras. Esses dispositivos se somarão às 4.022 câmeras já operadas pelo Centro de Operações da prefeitura (COP-BH), totalizando uma rede robusta de vigilância.

Tecnologia de Ponta na Vigilância

Dentre as novas aquisições, 339 câmeras são do tipo "speed dome", com capacidade de movimentação 360 graus, e 738 são fixas. Estas últimas, apesar de estáticas, são equipadas com IA para detectar intrusões e atividades ilegais, além de emitir alertas. "O Centro de Operações vai poder usar uma tecnologia com recursos analíticos e inteligência artificial para monitorar a cidade 24 horas e acionar as diversas equipes empenhadas para responder os problemas. Podemos identificar pichações também, por exemplo. Além de objetos deixados, resíduos descartados incorretamente e outros crimes para então agir imediatamente", explicou Georgia Ribeiro, diretora do COP-BH.

Foco em Áreas de Maior Risco

Georgia Ribeiro reforçou que os locais selecionados para a instalação das novas câmeras são áreas com maiores índices de criminalidade e insegurança, abrangendo principalmente a região Centro-Sul de BH, mas com previsão de expansão para todas as regiões da cidade. "São os locais onde há necessidade de um monitoramento recorrente por maior concentração de crimes ou problemas de ordenamento urbano e depredação de patrimônio", disse.

Investimento e Expectativas

O investimento total no Monitoramento 3.0 do COP-BH é de R$ 12 milhões. O prefeito Fuad Noman (PSD) expressou otimismo quanto ao impacto da iniciativa: "Para que a cidade possa aumentar a sensação de segurança, e os moradores fiquem mais tranquilos. Para que as pessoas possam voltar a frequentar o Centro e fazer compras com segurança", declarou, ressaltando o objetivo de promover um ambiente mais seguro e convidativo para os habitantes e visitantes da capital mineira.

Destaques