Bolsonaro diz que não há motivo para ser considerado inelegível pelo TSE

Julgamento terá início nesta quinta-feira

Por Plox

21/06/2023 17h24 - Atualizado há 11 meses

O ex-presidente da república, Jair Bolsonaro (PL) esteve no Senado Federal nesta quarta-feira (21), mesmo dia em que ocorre a sabatina de Cristiano Zanin, indicado do presidente Lula (PT) a vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e pelo plenário da casa. Bolsonaro (PL) esteve no gabinete do seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) e, ao deixar o local, conversou com a imprensa e disse que foi até o Senado para tratar sobre o julgamento no Tribunal Superior Eleitoral, que poderá resultar na inelegibilidade do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Veja as falas de Bolsonaro e de seu advogado.

 

O TSE agendou três sessões para a conclusão do julgamento da Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE). O processo terá início nesta quinta-feira (22) e poderá se estender pelos dias 27 e 29 de junho, terça e quinta-feira da próxima semana. Caso condenado, Bolsonaro poderá ficar inelegível por oito anos, o que o impediria de disputar qualquer cargo público até as eleições de 2032.

Bolsonaro será julgado por abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação durante reunião com embaixadores em 18 de julho de 2022. Ele apresentou informações falsas com o intuito de descreditar o sistema eleitoral brasileiro.

Durante a conversa com jornalistas, Bolsonaro (PL) pediu ao TSE mesmo critério de julgamento da chapa Dilma-Temer: “Não pode a jurisprudência mudar de acordo com a cara de quem está sendo julgado, de acordo com a ideologia. A jurisprudência é uma. Vai ser péssimo para a democracia se eu for julgado de forma diferente do que foi a chapa Dilma-Temer em 2017”, argumentou Bolsonaro.
 

Destaques