Pedreiro busca por mãe desaparecida há 54 anos em Minas Gerais

Em Barbacena, cidade onde reside atualmente, Paulo continua a busca pela mãe que nunca conheceu

Por Plox

21/06/2023 15h55 - Atualizado há 11 meses

Um anseio antigo tem levado o pedreiro Paulo César Guedes em uma busca incansável. Marta Maria Narciso, mãe de Paulo, desapareceu em 1968 quando ele tinha apenas três meses de idade. A última pista aponta para Paracatu, Minas Gerais, cidade natal de Marta e possível local de seu último avistamento.

 

Foto: Reprodução

A Busca por Respostas

Em Barbacena, cidade onde reside atualmente, Paulo continua a busca pela mãe que nunca conheceu. A separação de ambos é um mistério, oscilando entre possíveis cenários em que Paulo foi arrancado dos braços de Marta ou entregue por ela a uma ama de leite. A única certeza é que o fato ocorreu na cidade onde Paulo ainda reside, 54 anos depois.

Trajetória e Histórico Familiar

Filha presumida de escravos, Marta Maria Narciso migrou para Barbacena na década de 60 em busca de uma vida melhor. Acreditava-se que ela trabalhava em uma boate na cidade, onde teria conhecido Argemiro Guedes, o pai de Paulo. A paternidade foi posteriormente confirmada por exame de DNA.

O Drama de Paulo César Guedes

Sofrendo de depressão, Paulo César Guedes, tem se dedicado a descobrir o que aconteceu com a mãe. Em uma recente conversa com a equipe de reportagem de O TEMPO, ele compartilhou um pouco de sua história. "Fiquei com uma ama de leite, depois fui para uma tia, para a minha avó e, depois, eu me casei e toquei a minha vida. O que dizem é que ela é de Paracatu, que os pais dela eram escravos em Coromandel, mas, como não sei os nomes dos pais dela, temos dificuldade em conseguir saber algo", explicou Paulo.

Apoio da Esposa na Busca

Tereza Cristina, esposa de Paulo, descreveu que Marta trabalhava como garota de programa e, no dia do parto, foi levada para a Santa Casa de Barbacena. Segundo ela, após o nascimento de Paulo, Marta foi expulsa da cidade e seu filho foi retirado dos seus braços.

Pista em Paracatu

Desde que iniciaram a busca, a única informação que Paulo e Tereza obtiveram é que Marta foi vista pela última vez há cerca de 5 anos perto de um restaurante chamado "Cristal" em Paracatu. "Um caminhoneiro disse que viu ela, que ainda estava fazendo ponto (se prostituindo), e aí ele comentou, perguntou sobre o filho que ela teve em Barbacena e ela confirmou que teve o 'Paulinho', e teria dito que o sonho também é reencontrar ele", contou Tereza Cristina.

Ajudando a Investigação

Para contribuir com a busca, qualquer informação sobre Marta Maria Narciso pode ser encaminhada diretamente para Paulo através do telefone (32) 9 9135-7371. Seu apelo emocional é claro: "Não quero morrer sem conhecer ela", disse o pedreiro.

O Papel da Polícia Civil

Por outro lado, a Polícia Civil tem a possibilidade de oferecer suporte na busca por Marta. A delegada Bianca Landau, responsável pela Divisão Especializada de Referência da Pessoa Desaparecida, explicou que casos como o de Paulo não são classificados como desaparecimentos, mas sim como "encontro de família".

"Vamos colher um breve relatório do que a pessoa sabe. A partir daí, vamos designar um investigador para tentar fazer essa busca e costumamos ter muito sucesso. Não é um trabalho criminal, mas investigativo", detalhou a delegada Landau.

Para aqueles que buscam por familiares no interior de Minas, a delegada sugere que a Delegacia local da cidade onde a pessoa vive seja procurada para que o procedimento investigativo seja iniciado e as buscas possam acontecer.

O caso de Paulo é um testemunho da luta ininterrupta pela reunião familiar. As esperanças permanecem elevadas à medida que a busca por Marta continua.

 

 

Destaques