Polícia já ouviu 30 testemunhas do sequestro no ônibus do Rio

Família do criminoso rejeita auxílio do governo

Por Plox

21/08/2019 14h39 - Atualizado há quase 5 anos

A Polícia Civil do Rio de Janeiro já ouviu mais de 30 testemunhas no inquérito que investiga a morte de William Augusto da Silva, de 20 anos, na última terça-feira (20), por um sniper do Bope, após sequestrar um ônibus e manter 37 pessoas reféns por três horas e meia.

O inquérito momentos depois do ocorrido e a Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) já ouviu as versões dos reféns e familiares do jovem.

“A DHC realizou perícia no local e o corpo foi encaminhado ao IML [Instituto Médico Legal] para exame de necrópsia. A arma que ele usava – aparentemente de brinquedo - também será periciada, assim como um teaser (equipamento de choque) e outros objetos encontrados com William”, informou a Polícia Civil.

A Polícia Civil vai apurar também se houve a participação de outras pessoas no sequestro. William Augusto da Silva não tinha antecedentes criminais e, de acordo com os policiais, estava passando por um surto psicótico no momento do sequestro.

Reprodução

O cadáver do jovem foi liberado pelo IML pouco depois do meio dia desta quarta-feira. A família não divulgou o local do velório e do enterro.

O governo do Rio se colocou à disposição para custear gratuitamente o enterro de William, porém a família negou o auxílio.
 

Destaques