Google suspende ferramenta de geração de imagens por imprecisões históricas

. A empresa reconheceu as falhas do Gemini, especialmente em suas capacidades de representação histórica, comprometendo-se a realizar os ajustes necessários.

Por Plox

22/02/2024 13h48 - Atualizado há cerca de 2 meses

O Google recentemente interrompeu o uso de sua ferramenta de inteligência artificial chamada Gemini, destinada a criar imagens de pessoas, após identificar falhas na representação de eventos históricos. Esta decisão evidencia um dos desafios enfrentados pela empresa em sua corrida tecnológica contra a OpenAI e a Microsoft. 

Imagem de um 'rei inglês da Idade Média'. Foto: Produção/Redes Sociais

O Gemini, introduzido pelo Google no começo deste mês como uma inovação em seus modelos de IA, foi criticado por usuários em redes sociais por gerar imagens historicamente imprecisas. A empresa reconheceu as falhas do Gemini, especialmente em suas capacidades de representação histórica, comprometendo-se a realizar os ajustes necessários.

Foto: Reprodução/Redes Sociais 

Este episódio ocorre em um momento de intensa competição no campo da inteligência artificial, com o Google se esforçando para alcançar as inovações trazidas pela OpenAI, apoiada pela Microsoft, desde o lançamento do ChatGPT em novembro de 2022. O Google enfrentou outro revés significativo há um ano com o lançamento de seu chatbot de IA, Bard, que foi marcado por divulgar informações incorretas em um anúncio promocional, resultando em uma queda significativa no valor de suas ações.

Recentemente, o Bard foi rebatizado como Gemini, e o Google anunciou o lançamento de assinaturas pagas para oferecer aos usuários acesso a funcionalidades avançadas de raciocínio do modelo de IA. Jack Krawczyk, diretor sênior de produtos do Gemini, reiterou o compromisso da empresa em respeitar a complexidade dos eventos históricos e a necessidade de ajustes na ferramenta.

Destaques