Casos notificados de sarampo quase dobram em 18 dias em Minas

22/04/2019 18:16

A OMS recomenda que as pessoas tomem as duas doses da vacina contra o sarampo

Publicidade

As notificações de suspeitas de sarampo quase dobraram, em menos de 20 dias em Minas Gerais. A Secretaria de Estado de Saúde (SES) já registrou que houve um aumento de 36 para 67 possíveis casos, sendo um caso confirmado para a enfermidade. Essa confirmação é observada pela Saúde como importado, pois o paciente teria pegado o sarampo em uma viagem à Europa. A vítima é um italiano que morava em Betim. Os dados foram contabilizados pela pasta no dia 4 de abril.

OMS/Opas

A recomendação é de que as duas doses da vacinas sejam tomadas -Foto: OMS/Opas

A SES orienta aos municípios mineiros: “É recomendável àqueles municípios silenciosos por oito semanas epidemiológicas (SE) consecutivas ou dezesseis 16 SE alternadas, que realizem a busca ativa retrospectiva de casos junto aos atendimentos dos serviços de saúde locais. Se identificada a subnotificação de algum caso, que sejam promovidas as ações de controle (vacinação e atualização do Cartão de Vacinação dos contatos) e orientação aos profissionais de saúde”, recomendou. 


Duas doses


A Organização Mundial de Saúde (OMS) aconselha que as pessoas tomem as duas doses da vacina contra o sarampo. A entidade recomenda aos países que garantam que todas as crianças sejam imunizadas, já que o sarampo pode afetar esta parcela da população com mais força.


Dados alarmantes


A OMS divulgou dados alarmantes: houve um aumento de 300% nos casos de sarampo em todo o mundo, somente nos três primeiros meses deste ano. O relatório, que faz parte de um estudo divulgado em fevereiro pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), compara o primeiro trimestre de 2019, com o mesmo período do ano passado.


Setenta e quatro por cento desses casos estão em 10 países, que são responsáveis pela ascensão da doença no mundo. Dentre eles, se encontra o Brasil, que fica entre os três primeiros no 'ranking' negativo. Primeiro, vem as Filipinas, seguido da Ucrânia.

 

Atualizada às 19h18



Publicidade