Lula defende Juscelino Filho, ministro das Comunicações, após indiciamento por corrupção

O chefe do Executivo ressaltou que não pode afastar o ministro por um processo ainda não acatado pelo Judiciário

Por Plox

22/06/2024 09h34 - Atualizado há 22 dias

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva manifestou apoio ao ministro das Comunicações, Juscelino Filho, indiciado pela Polícia Federal por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Lula declarou estar "feliz" com o trabalho de Juscelino, destacando que "todo cidadão é inocente até que provem o contrário". O chefe do Executivo ressaltou que não pode afastar o ministro por um processo ainda não acatado pelo Judiciário.

(crédito: Ricardo Stuckert/Secom/PR)

Juscelino é suspeito de desviar verbas de emendas parlamentares para beneficiar propriedades de sua família em Vitorino Freire (MA), em período anterior à sua entrada no governo Lula. A PF encontrou mensagens entre Juscelino e o empresário Eduardo José Barros Costa, investigado por fraudes em licitações, ao apurar irregularidades em obras da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).

O presidente admitiu a existência de "um problema de indiciamento" com Juscelino, mas enfatizou a presunção de inocência. "Se um cidadão tem um pedido de indiciamento e esse indiciamento ainda não foi concedido pela Procuradoria-Geral nem pela Suprema Corte, tenho que aguardar o processo", afirmou Lula.

Durante sua visita ao Maranhão, Lula e Juscelino participaram de eventos juntos pela primeira vez desde o indiciamento do ministro. Em entrevista à Rádio Mirante News, Lula elogiou os ministros maranhenses: "Estou feliz com o (André) Fufuca, estou feliz com o Juscelino e estou feliz com a nossa Sonia Guajajara".

Além do Maranhão, Juscelino acompanhou o presidente em eventos no Piauí, onde participaram do encerramento da Caravana Federativa e anunciaram investimentos em portos e na digitalização de serviços públicos. Em São Luís, o ministro também esteve presente no anúncio de obras portuárias e de mobilidade urbana, mas não mencionou o processo judicial em andamento.

Lula estuda se deve demitir Juscelino, mas espera um avanço no processo antes de tomar uma decisão. Integrantes do governo consideram a possibilidade de negociar a exoneração com o partido União Brasil, ao qual Juscelino pertence. No entanto, há o risco de uma reação negativa da legenda, o que poderia complicar ainda mais a relação entre o Planalto e o Parlamento.

Em outra entrevista à Rádio Meio, do Piauí, Lula descartou a possibilidade de uma reforma ministerial a curto prazo, afirmando estar satisfeito com seus ministros. "A hora em que eu precisar, vou mudar as pessoas. Mas eu estou com um governo muito bom", concluiu o presidente.

Destaques