Paralisação lunar: fenômeno raro é observado ao redor do mundo

Lunistício ocorre aproximadamente a cada 18 anos

Por Plox

22/06/2024 10h26 - Atualizado há 27 dias

Na sexta-feira (21), o lunistício, fenômeno astronômico que faz parecer que a Lua está parada no céu, foi visível em várias partes do mundo, incluindo Israel, Grécia e Catar. Este evento, também conhecido como “paralisação lunar”, ocorre a cada 18 anos, tendo sido observado pela última vez em 2006.

O lunistício acontece quando a Lua atinge os pontos mais extremos em relação à Terra, a 28,5º ao sul da Linha do Equador, o que faz com que ela pareça congelada no horizonte. Rodolfo Langhi, professor e coordenador do Observatório de Astronomia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), explica que o fenômeno está relacionado aos limites de maior declinação que a Lua pode alcançar.

Foto: Pixabay / reprodução gratuita
 

Este fenômeno só pode ser apreciado por aqueles que estão no hemisfério norte, portanto, pessoas no Brasil não podem acompanhar a paralisação lunar. No entanto, o canal English Heritage transmitirá o evento ao vivo, às 17h30 do horário de Brasília (21h30 BST), permitindo que interessados acompanhem pela internet.

Durante o lunistício, a Lua fica visível por mais tempo no céu do hemisfério sul, nascendo mais cedo e se pondo mais tarde. Já no hemisfério norte, o satélite natural atinge as menores alturas do ano, causando a impressão de estar imóvel no céu. “No hemisfério sul, a Lua fica mais tempo acima do horizonte, nascendo mais cedo e se pondo mais tarde. No hemisfério norte, a Lua nasce mais tarde e se põe mais cedo”, destaca Langhi.

O evento coincide com os solstícios de inverno e verão, marcando a entrada dessas estações nos hemisférios sul e norte, respectivamente. Durante os solstícios, a linha da eclíptica, uma linha imaginária percorrida pelo sol, aparece mais afastada dos pontos cardeais leste e oeste, cerca de 23 graus. A Lua, que normalmente está próxima dessa linha, se afasta apenas 5 graus, duas vezes por mês.

Langhi esclarece que os cruzamentos entre o plano da órbita lunar e o plano da órbita terrestre, chamados de nodos, rotacionam lentamente ao longo dos anos. “Como o nodo já está quase atingindo este cruzamento, a Lua Cheia de inverno está bem mais afastada ao sul da eclíptica e, consequentemente, do equador celeste, uns 28,5 graus. Isto se repete a cada 18,6 anos”, explica o professor.

Destaques