FGTS pode permitir pausa em financiamentos imobiliários para inadimplentes

A agenda da reunião também contempla discutir a suplementação do orçamento direcionada para os financiamentos do programa Minha Casa Minha Vida

Por Plox

22/07/2023 07h48 - Atualizado há 11 meses

Em meio ao cenário de juros elevados, uma possibilidade surge para aliviar a pressão sobre os tomadores de empréstimo inadimplentes. O Conselho Curador do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) sinaliza que na sua próxima reunião em Brasília, ocorrendo na próxima semana, pode ser aprovada a ideia de pausas temporárias nos contratos de financiamento de imóveis ligados ao fundo. Esta proposta sugere que, se um mutuário não estiver conseguindo realizar os pagamentos, a instituição financeira responsável poderá, mediante negociação, permitir uma interrupção nesses pagamentos. No entanto, é importante destacar que o montante não pago será adicionado ao saldo devedor, acompanhado de juros.

 

 

 

Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil

 

Suplementação do orçamento no Minha Casa Minha Vida

A agenda da reunião também contempla discutir a suplementação do orçamento direcionada para os financiamentos do programa Minha Casa Minha Vida. Se não ocorrer revisão, os recursos para este programa correm o risco de esgotar até setembro em pelo menos três regiões brasileiras. Uma das propostas é de incrementar os recursos em R$ 4,65 bilhões voltados para o financiamento de imóveis para a classe média, especificamente na modalidade chamada pró-cotista. Assim, o valor total destinado alcançaria R$ 11,35 bilhões. Esta linha de financiamento propõe juros anuais de 8,66% mais a Taxa Referencial (TR) e é direcionada para aqueles que possuem conta no fundo. O teto para o imóvel financiado através desta medida é de R$ 1,5 milhão.

 

Implicações para o Programa "Minha Casa Minha Vida"

Desafios no financiamento para a classe média

A dificuldade de acesso ao crédito imobiliário tem sido um obstáculo enfrentado pela classe média brasileira. De um lado, os juros em alta tornam os empréstimos mais caros. Do outro, observa-se uma redução nas fontes de recursos disponíveis para os bancos investirem no setor imobiliário. Essa situação chamou a atenção do presidente Lula (PT), que manifestou publicamente sua preocupação, destacando a necessidade de se tomarem medidas voltadas para este segmento de renda dentro do programa Minha Casa Minha Vida.

 

Revisão do teto de renda no programa

Atualmente, o teto de renda mensal estipulado pelo programa Minha Casa Minha Vida é de R$ 8 mil. No entanto, a gestão atual avalia a possibilidade de elevar este valor, permitindo que famílias com rendimentos mensais entre R$ 10 mil e R$ 12 mil também tenham acesso aos benefícios do programa. Se aprovada, essa mudança poderia resultar no aumento do valor máximo do imóvel financiado pelo programa, chegando até R$ 500 mil.
 

Destaques