Descoberta macabra em Aracaju: mulher mantém corpo em geladeira por sete anos

O ocorrido veio à tona durante uma reintegração de posse, revelando um crime que chocou a comunidade local

Por Plox

22/09/2023 15h19 - Atualizado há 7 meses

Aracaju testemunhou um evento perturbador nesta semana, quando uma mulher de 37 anos foi presa por esconder o corpo de um homem na geladeira de sua casa por sete anos. A descoberta ocorreu durante uma reintegração de posse no bairro Suíça na última quarta-feira (20), quando o oficial de justiça entrou na casa e se deparou com o corpo em estado avançado de decomposição.

 

 

 

Foto: Pexels

Detalhes do Sinistro

A suspeita, após a descoberta, tentou cortar os próprios pulsos, sendo rapidamente encaminhada para um hospital e presa em flagrante após ser medicada, segundo informou a polícia. Na delegacia, a mulher relatou ter escondido o corpo na geladeira desde 2016, mas negou ser a autora do crime.

A vítima foi identificada pela mulher como um idoso que morava com ela, no entanto, a polícia aguarda os resultados dos exames de DNA para confirmar a identidade do falecido. A delegada Roberta Fortes, do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa de Aracaju, relatou que a mulher alega não ter cometido o homicídio. Segundo ela, o idoso e a suspeita conviviam harmoniosamente, e a decisão de esconder o corpo teria sido motivada pelo medo do julgamento público.

 

Impacto na Comunidade

Os moradores da região se mostraram chocados com o acontecido. A presença de uma criança de 4 anos, filha da suspeita, na casa, somente aumentou a gravidade do caso. A menina foi entregue ao Conselho Tutelar e posteriormente a um membro da família.

Os vizinhos relataram um mau cheiro vindo da casa devido ao acúmulo de lixo, mas não associaram o odor ao cadáver escondido na geladeira durante todos esses anos. A situação insalubre da moradia levou a suspeita a ser presa em flagrante não só por ocultação de cadáver, mas também por maus tratos.

 

Consequências Legais

Agora, a justiça local se prepara para desdobrar os procedimentos legais que o caso requer, assegurando a integridade da criança envolvida e buscando esclarecer as circunstâncias exatas que envolvem o falecimento do idoso e a macabra conservação de seu corpo por parte da suspeita. Os exames de DNA serão cruciais para desvendar mais detalhes sobre essa história chocante que deixou a comunidade de Aracaju em estado de alerta.

Destaques