Advogado de Lula não aceita redução de pena e defende absolvição

23/04/2019 23:00

A sentença para Lula no caso do tríplex do Guarujá, interior de São Paulo, foi proferida nessa terça-feira, 23 de abril

Publicidade

Apesar da decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) pela redução da pena do ex-presidente Luiz Inácio “Lula” da Silva para 8 anos e 10 meses, a defesa do petista se mostrou insatisfeita com o resultado e irá recorrer. Segundo os advogados, Lula não cometeu crime algum e deve ser absolvido.

A sentença para Lula no caso do tríplex do Guarujá, interior de São Paulo, foi proferida nessa terça-feira, 23 de abril. O político está cumprindo a pena no prédio da Superintendência Regional da Polícia Federal no Paraná, desde abril do ano passado, cumprindo pena inicial de 12 anos e um mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Lula quer absolvição- Foto: Agência Brasil

Defesa de Lula argumenta que ele deve ser absolvido- Foto: Agência Brasil

 

Nessa terça-feira, os ministros da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinaram pela redução penal. A deliberação foi tomada a partir de um recurso do advogado do político. O entendimento do STF é de que a detenção de Lula foi definida pelo então juiz Sergio Moro, que autorizou a prisão após o fim de recursos na Segunda Instância.

O advogado de defesa, Cristiano Zanin, alega que Lula deve ser absolvido no caso porque não praticou crime algum. "Pela primeira vez um tribunal reconheceu que a pena aplicada ao ex-presidente Lula, tanto pelo ex-juiz Sergio Moro, como pelo TRF4, é abusiva. É pouco, mas é o início. Esperamos que as instâncias que ainda vão se manifestar sobre o caso, como o STF e também o Comitê de Direitos Humanos da ONU possam nos ajudar a restabelecer a plenitude do Estado de Direito, isso pressupõe a absolvição do ex-presidente Lula", argumentou. O ex-presidente deve continuar detido, mas terá direito mais rápido à progressão de pena.

Atualizada às 11h43 



Publicidade