"Meu coração está mais inclinado a evitar cobrança de bagagens”, indica Bolsonaro sobre MP

23/05/2019 12:05

Esse foi o posicionamento do presidente nesta manhã de quinta-feira, 23 de maio

Publicidade

Diante da aprovação dos deputados permitindo que passageiros levem até 23 quilos de bagagem gratuitamente em voos nacionais, o presidente Jair Bolsonaro (PSL), sinalizou que não vai se opor à proposta. O posicionamento foi demonstrado nesta manhã de quinta-feira, 23 de maio, durante um café com jornalistas de diversos veículos de comunicação. 

presidente -Foto: PR

Presidente indicou que não vetará a medida- Foto: Presidência da República


Bolsonaro indicou que autorizará a gratuidade: “Vou deixar para tomar esta decisão nos 48 minutos do segundo tempo. Claro que o mercado precisa se autorregulamentar, mas, neste caso, meu coração está mais inclinado a evitar a cobrança das bagagens”, argumentou. Apesar de a equipe econômica do governo e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) terem recomendado veto à medida provisória, a Câmara dos Deputados votou em plenário pela concessão da gratuidade àqueles que levarem as malas dentro do limite de 23 quilos. 


O presidente ainda ressaltou que o tema é controverso e será alvo de críticas da mesma maneira, seja qual for a decisão tomada por ele: “Se eu sancionar ou vetar, vou tomar pauladas, mas, ao que tudo indica, a questão da cobrança da bagagem não era fator preponderante, já que o preço das passagens não baixou”.

Companhias aéreas

A medida provisória ainda abarca a autorização de até 100% de capital estrangeiro em companhias aéreas com sede no Brasil. O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) destacou que Bolsonaro se comprometeu em editar decreto como forma de impor o cumprimento do percentual de 5% em voos regionais pelas empresas aéreas, previsto em relatório apresentado por Roberto Rocha, não considerado pela Câmara. 

Atualizada às 13h53



Publicidade