Abuso de criança em escola municipal leva à prisão de coletor de lixo na Zona Sul de SP

Suspeito foi flagrado por câmeras de segurança e preso em flagrante por estupro de vulnerável; empresa repudia o ato.

Por Plox

23/05/2024 09h28 - Atualizado há 25 dias

Um coletor de lixo de uma empresa terceirizada pela prefeitura de São Paulo foi preso em flagrante na quarta-feira (22) após tentar beijar crianças na Escola Municipal Oliveira Viana, localizada no Jardim Planalto, Zona Sul da cidade. As câmeras de segurança da escola registraram José Evaristo da Silva, de 51 anos, abordando os estudantes e tentando beijá-los.

 

Foto: Reprodução

Câmeras flagraram ação e Guarda Civil foi acionada

Nas imagens capturadas pelas câmeras de segurança, José Evaristo é visto entrando na escola e se aproximando de um grupo de crianças, que se afastam ao perceberem a tentativa de beijo. Ele segue para outro grupo e chega a sentar no colo de uma das vítimas, além de interagir com outra criança e comer uma fruta que estava em sua mão.

A Guarda Civil Municipal (GCM) foi chamada e, após analisar as imagens, conseguiu identificar José e a empresa para a qual ele trabalha. Com essas informações, a GCM se dirigiu à residência do suspeito e efetuou a prisão.

Suspeito não reconheceu a ação como criminosa

De acordo com a GCM, José não considerou sua ação criminosa, alegando que "esse tipo de brincadeira com alunos é normal". A polícia, no entanto, autuou José Evaristo da Silva em flagrante por estupro de vulnerável, conforme o Código Penal, que considera crime "ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 anos".

Testemunhas e vítimas foram ouvidas

Durante a noite, sete pessoas foram ouvidas na delegacia, incluindo vítimas, familiares, testemunhas e representantes da empresa empregadora de José. Além das gravações das câmeras de segurança, um inspetor da escola também flagrou a ação do coletor e o advertiu, orientando as vítimas a relatar o caso à direção da escola.

Empresa terceirizada se pronuncia

A empresa Ecourbis Ambiental, responsável pela contratação de José Evaristo, emitiu uma nota repudiando o ocorrido e afirmando que "toda ação contrária ao código de ética da empresa é passível de sanções, inclusive demissão". A concessionária, que possui cerca de 3.500 colaboradores, garantiu que tratará o caso com rigor e acompanhará os desdobramentos legais.

Medidas de segurança nas escolas

Segundo a subinspetora da GCM, Sheila Eliane Moreira, este é o terceiro caso de comportamento inadequado em escolas da região, mas o primeiro a chegar a um extremo como o de hoje. "Estamos procurando orientar as escolas a entrar em contato com as empresas e verificando se existe treinamento desses coletores nas escolas porque o coletor não pode ter contato com as crianças", afirmou a subinspetora.

Destaques