Coronavírus: Vale do Aço é uma das regiões mais preocupantes de MG, afirma Zema

23/06/2020 13:19

Na manhã desta terça-feira (23), durante sua participação em uma programa de TV, Romeu Zema, governador de Minas Gerais, afirmou que o Vale do Aço é uma das regiões mais preocupantes do estado, por conta do aumento do número de casos e óbitos. Em menos de um mês, 45 pessoas morreram infectadas por coronavírus na região.

Segundo o governador, além do Vale do Aço, o Triângulo Mineiro, a Zona da Mata e a Região Metropolitana de Belo Horizonte são as que mais preocupam o governo do estado.

“Além das regiões que você [apresentadora] citou, Vale do Aço, Triângulo Mineiro e Zona da Mata, nós temos aqui a região Central, a Região Metropolitana que também nos preocupa muito. Então são quatro regiões no estado que estão com número de casos bem acima do esperado. Essas são as regiões que merecem um acompanhamento especial”, afirmou Zema.

 

Zema-globo-newsFoto: reprodução/TV
 

Dados

Desde o primeiro óbito de um paciente diagnosticado com a COVID-19 no Vale do Aço, no dia 25 de maio, 45 pessoas já morreram com o diagnóstico da doença.

Os dados, analisados pela reportagem, são dos boletins epidemiológicos das secretarias municipais de Saúde de Coronel Fabriciano, Ipatinga, Santana do Paraíso e Timóteo, as quatro cidades que formam a região metropolitana do Vale do Aço em Minas Gerais.

A primeira entre as quatro cidades a registrar um óbito de paciente positivo para o vírus foi Ipatinga, 28 dias atrás. O primeiro paciente a morrer com a doença na cidade foi um homem de 70 anos, morador do bairro Esperança, que faleceu no Hospital Municipal Eliane Martins. 

De acordo com o boletim epidemiológico desta segunda-feira (22), 29 pessoas com coronavírus já morreram em Ipatinga.

Segunda cidade a registrar mais óbitos foi Santana do Paraíso, que teve a primeira morte registrada no dia 26 de maio. Segundo o boletim epidemiológico da cidade, nesta segunda-feira, oito pacientes já morreram com o vírus na cidade.

Timóteo confirmou a primeira morte de um paciente positivo para a doença no dia 27 de maio. De acordo com a Secretaria de Saúde da cidade, até esta segunda-feira, quatro mortes de pacientes com coronavírus foram confirmadas na cidade. Uma outra morte de um paciente testado positivo para a doença não entrou na conta oficial, pois não teve vírus como causador da morte, uma vez que a paciente veio a falecer após um Acidente Vascular Cerebral (AVC). 

O último dos quatros municípios a registrar óbito foi a cidade de Coronel Fabriciano, que confirmou a morte de um homem com coronavírus no último dia 10 de junho. De acordo com a Secretaria de Governança da Saúde de Fabriciano, quatro óbitos já foram confirmados no município, de acordo com o boletim epidemiológico publicado na manhã desta terça-feira (23).