Greve no Metrô de São Paulo continua após não fechar acordo

Capital paulista terá ponto facultativo nas repartições públicas

Por Plox

24/03/2023 08h53 - Atualizado há cerca de 1 ano

A greve dos metroviários em São Paulo continuará nesta sexta-feira (24) após a Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) não aceitar a proposta de conciliação do Ministério Público do Trabalho (MPT), apresentada em audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) na noite dessa quinta-feira (23). A proposta sugeria o pagamento do valor de abono de R$ 2.500 por trabalhador, por ano, de 2020 a 2022; o cancelamento de punições e garantia de não retaliação aos grevistas; e a ausência de descontos dos dias parados, em razão da greve.

Os metroviários decidiram continuar a greve em assembleia encerrada às 21h40 dessa quinta-feira. Eles condicionaram o retorno aos trabalhos a uma das duas condições: o Metrô aceitar a proposta do MPT ou a empresa permitir a operação dos trens sem a cobrança de passagens, a chamada catraca livre, enquanto durarem as negociações.

O Metrô, por sua vez, divulgou uma nota às 23h08 afirmando que seguirá com o plano de contingência para garantir o atendimento aos passageiros nesta sexta-feira. A companhia ainda disse que obteve na justiça uma liminar que determina o funcionamento de 80% do serviço do metrô nos horários de pico (entre 6h e 10h e entre 16h e 20h) e 60% nos demais horários durante todo o período de paralisação.

Foto: Agência Brasil

 

No entanto, na noite dessa quinta-feira, a juíza Eliane Aparecida da Silva Pedroso, do TRT, proferiu decisão em sentido diferente da obtida pelo Metrô ainda pela manhã. A magistrada decidiu não fixar um quantitativo mínimo de funcionários que devam trabalhar durante a greve e permitiu a adoção da catraca livre nas estações do Metrô.

O governador Tarcísio de Freitas decretou ponto facultativo nas repartições públicas estaduais da capital paulista e região metropolitana nesta sexta-feira (24), medida que será publicada no Diário Oficial do estado. O prefeito Ricardo Nunes também decretou ponto facultativo nas repartições públicas da capital, com exceção de serviços essenciais como serviço funerário, unidades de atendimento das secretarias de Saúde e Assistência Social, toda a rede municipal de ensino e a Segurança Urbana. A decisão do prefeito também será publicada no Diário Oficial de sexta-feira.

Destaques