Paulo Guedes é taxativo: "Se só eu quero a reforma, vou embora para casa"

24/05/2019 11:41

O ministro afirmou que não vai aprovar uma “reforminha”

Publicidade

Paulo Guedes, ministro da Economia do governo de Jair Bolsonaro (PSL), já está sem paciência com o parlamento e afirmou que se a reforma da Previdência não for aprovada da maneira em que foi apresentada pelo governo, ele pode abrir mão do cargo. É que ele defende que a reforma precisa gerar uma economia de R$ 1 trilhão nos próximos 10 anos. Mas, o Congresso não tem concordado e tem se mostrado resistente. 

Paulo Guedes

Paulo Guedes ameaçou deixar o cargo caso a proposta original não passe- Foto: Agência Brasil


O economista advertiu, nessa sexta-feira, 24 de maio: “Pego um avião e vou morar lá fora. Já tenho idade para me aposentar”. Guedes disse ainda que é uma pessoa que tem responsabilidade, mas não pretende continuar em uma função em que é o único que acredita nos projetos da Economia. “Se só eu quero a reforma, vou embora para casa”, declarou em entrevista. 


O projeto original do ministro é de uma economia de R$ 1 trilhão para o país na próxima década, mas ele deu uma margem de até R$ 800 bilhões, sendo taxativo e nada favorável a uma contabilidade menor que isso, pois “não há a menor possibilidade de lançar uma nova Previdência. Estaríamos só remendando a velha”. O ministro afirmou que não vai aprovar uma “reforminha” e ainda que não adianta parlamentares de oposição articularem fazer uma reforma de impacto econômico menor “para o presidente [Bolsonaro] não ficar”. Segundo Paulo Guedes, é de conhecimento dos deputados que a reforma trará “prosperidade ao Brasil e que o presidente pode se beneficiar politicamente disso”, argumentou o ministro.

Atualizada às 14h35


 



Publicidade