Informação e saúde: Entre a consciência e a obsessão

Conscientização ou Alarmismo: O Impacto da Informação de Saúde na Sociedade

Por Plox

25/03/2024 07h47 - Atualizado há 4 meses

Nos últimos tempos, o globo testemunhou uma série de crises de saúde pública que desafiaram a resiliência de suas populações. A crise mais marcante iniciou-se há quatro anos, com a declaração de pandemia de Covid-19 pelo diretor-geral da Organização Mundial de Saúde, Tedros Adhanom. Esse evento colocou o mundo em alerta e transformou profundamente a maneira como as pessoas percebem e reagem à ameaça de doenças. Em território brasileiro, esse cenário de alerta continuou com o registro do maior surto de dengue já documentado, além de um notável aumento em casos de doenças crônicas, como diabetes e hipertensão.

Foto: Pixabay

Epidemias virais e crônicas: O duplo desafio da saúde no Brasil

A conjunção dessas crises sanitárias com o acesso sem precedentes à informação através da internet e das redes sociais gerou uma dualidade impactante: por um lado, promoveu uma maior conscientização sobre prevenção e tratamento; por outro, provocou um aumento significativo na preocupação com a saúde, levando, em casos extremos, ao desenvolvimento de transtornos psicológicos. Segundo o psiquiatra Bruno Brandão, a propagação de informações pode induzir um medo exacerbado de adoecer, mesmo em indivíduos saudáveis, contribuindo para o surgimento de transtornos de ansiedade relacionados à saúde e sintomas somáticos.

A sombra da Covid-19: A percepção da saúde no Brasil pós-pandemia

O relatório Covitel 2023 evidenciou uma redução na percepção positiva da própria saúde entre os brasileiros, de 75,6% para 62,8% após a pandemia, refletindo tanto o impacto das condições de saúde quanto o efeito psicológico das crises sanitárias. Nesse contexto, observa-se que a sensação de vulnerabilidade não se manifesta com a mesma intensidade nos consultórios de psicologia e psiquiatria, visto que muitos pacientes hesitam em buscar ajuda para questões mentais, preferindo acreditar na origem física de seus sintomas.

O desafio do equilíbrio: Saúde mental na era da informação

Enquanto a preocupação com a saúde pode ser positiva ao incentivar hábitos saudáveis, ela se torna problemática quando excede a racionalidade e se fixa em uma busca incessante e infundada por diagnósticos. Bruno Brandão alerta para o perigo desse comportamento obsessivo, que pode incapacitar o indivíduo e acentuar o risco de problemas de saúde genuínos. O tratamento desses transtornos inclui psicoterapia e, em alguns casos, medicação, com o objetivo de ensinar o paciente a administrar suas preocupações de maneira produtiva.

Destaques