8 em cada 10 empresários mineiros são impactados pela estação de inverno

Com tíquete médio maior em 8,4%, o consumidor deve investir R$ 266,22 nas compras do período.

Por Plox

25/05/2024 11h38 - Atualizado há 26 dias

A estação do inverno se aproxima e faz com que 8 em cada 10 empresários do seguimento de vestuário e acessórios, tecidos e artigos de cama, mesa e banho, e calçados e artigos de viagem sejam impactados positivamente pelo período, conforme pesquisa realizada pelo Núcleo de Pesquisa e Inteligência da Fecomércio MG.

O inverno que ocorre no período de 21 de junho e termina em 23 de setembro, impactará mais empresas desses setores frente a 2023, de acordo com a expectativa dos empresários. Atualmente 77,1% dos empresários esperam impacto positivo com o inverno, 12,7 pontos percentuais superior ao último ano, quando o impacto positivo foi de 65,0%.

Foto: Divulgação

 

Os empresários do varejo que são impactados pela data acreditam que as vendas serão melhores ou iguais a última temporada em 60,4%, proporção menos expressiva que em 2023, quando 74,6% dos varejistas esperavam vendas iguais ou melhores que o inverno anterior. Os motivos que levam 6 em cada 10 comerciantes crerem melhora nas vendas são o inverno rigoroso (36,6%), otimismo (32,1%), consumidor está comprando mais (13,0%), diversidade de produtos (10,7%) e esperança (10,7%).

Com as vendas no período de inverno, 40,0% dos empresários esperam um impacto em suas vendas entre 10,1% e 30,0%, já para 24,5% dos pesquisados, o incremento é mais intenso, entre 30,1% e 60,0%. 

Para Gilson Machado, economista da Fecomércio MG, o período de inverno é uma excelente oportunidade para o aumento das vendas entre os meses de junho e setembro, já que os consumidores tendem a ir ao comércio para comprar itens para o período que a temperatura fica mais amena no país.

Ainda de acordo com nosso economista “mesmo que as mudanças climáticas façam com que o inverno não seja de temperaturas mais baixas como já foi no passado, o período ainda tem a incidência de sensação térmica mais baixa, costumes estabelecidos e a estação tem o seu charme, o que contribui com as vendas de inverno”.  Destaca Machado.

Perfil de Venda

No período de inverno o consumidor deve gastar em torno de R$ 266,22, um tíquete médio superior ao mesmo período do último ano em 8,4%, pois em 2023 o gasto médio esperado foi de R$ 245,65. “O tíquete mais elevado mostra que o empresário espera um aumento real no gasto médio do consumidor, a inflação nos últimos 12 meses, maio de 2023 a abril de 2024, é de 3,7%.”, destaca Machado. 

A forma de pagamento que mais deve ser utilizada pelo consumidor para realizar as compras é o cartão de crédito parcelado, com 62,8%, seguido do crediário/carnê/caderneta (13,7%) e Pix (8,0%). Os meios de pagamentos utilizados mostraram mudança na proporção em relação ao último ano, no qual o cartão de crédito parcelado foi de 51,6%, Pix de 15,2% e crediário/carnê/caderneta de 10,2%.

“Com o tíquete médio mais elevado para a data, é comum o uso do cartão de crédito parcelado para dissolver o valor em alguns meses e o consumidor não sentir o peso da compra de forma imediata, ao passo que a compra pode impactar outras necessidades caso ocorra de forma imediata”. Destaca Machado. 

Com o início do inverno na segunda quinzena de junho, quase a metade dos empresários esperam que o maior movimento dos consumidores vai ocorrer antes do início da estação, marcada para o dia 21 de junho. Há comerciantes que esperam que o período de vendas mais intenso aconteça mais cedo, ainda em maio, e aqueles que esperam que o maior fluxo ocorrerá mais para o fim do período de inverno.

Investimento

A nova estação já está próxima e 77,7% dos lojistas já estão prontos para atender as demandas de inverno em 2024, enquanto 18,8% dos varejistas não estão totalmente preparados, faltando menos de 1 mês para o início da estação. Por outro lado, apenas 1,0% dos empresários manifestaram que não farão aquisições de produtos para atender demandas de inverno para o ano corrente.

O número de pedidos feitos para os fornecedores é igual ou maior para 56,5% dos empresários, refletindo que o sentimento é de que a demanda de itens para o inverno mantenha-se aquecida. Já para 34,2% dos lojistas, foram demandados um menor volume de itens para os fornecedores frente ao último ano.

Os produtos estão mais caros, é o que revela 46,1% dos comerciantes ao adquirir seu estoque junto aos fornecedores, algo já esperado pelo mercado em função do efeito inflacionário. Para 37,8%, os preços praticados pelos fornecedores não sofreram alteração frente ao último ano, enquanto 5,1% dos empresários identificaram que os preços praticados pelos fornecedores estão menores que em 2023.

Ações dos comerciantes

Os comerciantes pretendem impulsionar as vendas no período e adotarão ações para atrair os consumidores para os estabelecimentos, entre as ações mais presentes, destacam-se propagandas e divulgação (48,9%), promoções e liquidações (20,0%), brindes (5,2%), variedade de produtos (4,7%) e atendimento diferenciado (4,1%).

O varejo já está preparado e quase todos os empresários impactados pela estação de inverno realizarão divulgações de produtos para alavancar as vendas.  Os meios de divulgações mais presentes foram Instagram (90,2%), WhatsApp (67,9%), Facebook (41,7%).

Uma parte expressiva dos comerciantes impactados pela data irão utilizar de canais on-line para realizar as vendas, 85,3%. Os meios utilizados para realizar as vendas com maior frequência serão, o WhatsApp com 91,7%, o Instagram com 69,9% e site próprio com 9,1%.

Para Machado, “o varejo vem se transformando, os empresários estão cada vez mais antenados nas necessidades do mercado para atender o público, os comerciantes estão adotando ações, estão mais presentes nas redes sociais e há uma crescente na realização de vendas on-line”.

Destaques