Ipatinga recebe técnicos do DNIT para avaliar condições de ‘mergulhinho’ na BR-458 

25/06/2019 16:43

Não foi apontado nenhum risco de abalos na estrutura

Publicidade

Técnicos da Prefeitura de Ipatinga, ligados à Secretaria de Obras Públicas, e do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT) estiveram avaliando nesta terça-feira (25) as estruturas dos dois viadutos da BR-458 conhecidos como ‘mergulhinho’, diante da passarela da Usiminas, no Centro. No local há a passagem subterrânea que é utilizada diariamente por centenas de pedestres e ciclistas, facilitando o acesso à portaria da siderúrgica e o deslocamento a partir de um ponto de ônibus próximo, para evitar que pessoas cruzem perigosamente a rodovia com riscos de acidentes. Apesar do longo tempo de uso do equipamento e dos desgastes verificados, perceptíveis a olho nu, com consequente exigência de manutenção, a conclusão é que não há riscos de desabamento.

Ao lado do secretário municipal de Obras, José Maria Ferreira, e seu Adjunto, Anderson Lage, participaram da inspeção Carolina Oliveira, calculista de estruturas do DNIT, e Maurício Marini, que é técnico de infraestrutura.

(Foto: Divulgação PMI)(Foto: Divulgação PMI)

“Verificando a obra, constatamos a necessidade de intervenções, pois temos armaduras expostas. O concreto está bastante deteriorado, o que é comum para estruturas que não têm um acompanhamento de manutenção, infelizmente uma realidade em estradas de todo o país. Contudo, não existem, por exemplo, vibrações anômalas”, disseram os representantes do DNIT.

(Foto: Divulgação PMI)(Foto: Divulgação PMI)

Apesar do quadro exposto, conforme Carolina, nessa primeira avaliação não foi apontado nenhum risco de abalos na estrutura. “Existem várias formas de fazermos essa manutenção e obtermos resultados satisfatórios, uma vez que não se trata de uma ponte de grande porte”, considerou a técnica.

Mais de três décadas
A passagem foi inaugurada em 1986 e nunca recebeu reparos, segundo relatou o secretário de Obras Públicas, José Maria Ferreira. “Estamos falando de uma obra de mais de 33 anos. Antigamente o ar era muito agressivo especialmente na região, com influência direta na estrutura de concreto. Então, precisamos fazer essa manutenção com certa urgência, para assegurar maior durabilidade. Porém, trata-se de uma construção curta, sem longos vãos, e não estão presentes riscos de desabamento. Vamos aguardar agora que o DNIT nos envie esse projeto de recuperação, para iniciarmos os reparos o quanto antes, em parceria com o órgão federal. A Usiminas também tem sido notificada sobre a situação”, disse o secretário. 

(Foto: Divulgação PMI)
(Foto: Divulgação PMI)



Publicidade