Usipa implanta programa de voluntariado no Cebus

25/06/2019 16:19

O Cebus formará um banco de talentos e convidará os voluntários à medida que as necessidades forem surgindo e de acordo com a disponibilidade de cada voluntário

Publicidade

O Centro de Biodiversidade da Usipa (Cebus), pela primeira vez, abre espaço para a participação da comunidade, por meio de um programa de voluntariado. As pessoas poderão se tornar protagonistas das ações de manutenção de fauna, inclusive aquelas realizadas pelo Programa Fauna Sem Lar, por meio de atividades que criam resultados efetivos para a fauna e o meio ambiente.

Os voluntários terão a oportunidade de exercitar uma ou mais habilidades colocando-as a serviço de um bem maior, ou desenvolver novas aptidões através do contato com profissionais de diversas áreas e do aprendizado prazeroso que o contato com os animais proporciona.

Filhotes de gambás, recebidos pelo Programa Fauna Sem Lar, sendo alimentados com uma seringa. (Foto: divulgação/Marcele Pena)Filhotes de gambás, recebidos pelo Programa Fauna Sem Lar, sendo alimentados com uma seringa. (Foto: divulgação/Marcele Pena)

“Para ser voluntário do Cebus, não é necessário ter habilidade no trato com animais. Em um zoológico, existem ações que demandam eletricistas, pedreiros, bombeiros, carpinteiros e todas as pessoas de boa vontade movidas pelo desejo de serem úteis. Algumas atividades podem, inclusive, serem desenvolvidas fora do zoológico, na casa do próprio voluntário, caso este não tenha disponibilidade para se deslocar à Usipa”, explica a bióloga do Cebus, Cláudia Diniz.

Como participar
O interessado em ser voluntário do Centro de Biodiversidade da Usipa deverá fazer contato por meio do telefone (31) 3801 4383, quando receberá as instruções iniciais e fará o pré-cadastro. Após a aprovação do pré-cadastro, o candidato receberá um e-mail, com uma ficha de cadastro, onde elencará as aptidões e atividades que esteja disposto a realizar, assim como a disponibilidade de trabalho. O voluntário receberá, também, o Termo de Contrato de Voluntariado, que deverá ser assinado e entregue no Cebus. O Termo terá a validade de um ano e atende as exigências legais que regem o trabalho voluntário.

“Um dos requisitos que solicitamos aos futuros voluntários é estar em dia com as vacinas antirrábica e antitetânica, pois são medida preventivas importantes quando se trabalha com animais”, conta a bióloga.

O Cebus formará um banco de talentos e convidará os voluntários à medida que as necessidades forem surgindo e de acordo com a disponibilidade de cada voluntário. O contato com o voluntário poderá ser feito via telefone ou por e-mail.

Algumas atividades que podem ser executadas por um voluntário no zoológico

- Implantação e melhoria de horta e pomar;
- manutenção de jardins;
- reparo de cercas, grades, portas, gaiolas;
- construção de casas, abrigos, tocas e ninhos;
- confecção de puçás e outros instrumentos para contenção dos animais;
- pinturas em paredes, grades e estruturas metálicas;
- reparos nas redes elétrica e hidráulica;
- reparo e construção de mobiliários de recintos;
- alimentação e cuidados de filhotes;     
- preparo de alimentação para os animais;
- apoio em atividades do médico-veterinário;
- educação ambiental;
- desenvolvimento de materiais para enriquecimento ambiental de recintos;
- desenvolvimento de sistemas informatizados para controles diversos;
- divulgação de campanhas e busca de patrocinadores.

Sobre o Cebus
A Usipa, por meio do Centro de Biodiversidade, acredita que a parceria com a comunidade seja muito importante para o desenvolvimento de projetos sustentáveis.  O Cebus desenvolve, há vários anos, o Projeto de Reabilitação da Fauna sem Lar. Este projeto prevê, por meio de patrocínios, o acolhimento, tratamento, reabilitação e, sempre que possível, a soltura de animais silvestres em condições de risco, apreendidos ou recolhidos pela Polícia de Meio Ambiente, Corpo de Bombeiros e Instituto Estadual de Florestas (IEF).

Atualmente, o Cebus possui um Termo de Cooperação assinado com o IEF e, por meio deste, recebe cerca de 300 animais por ano. Destes, devido às precárias condições de saúde, aproximadamente 37% morrem, mesmo após grande esforço para recuperá-los. Apenas 41% conseguem voltar à natureza e, aproximadamente, 12% permanecem no zoológico por não apresentarem condições de sobrevivência em liberdade. O restante permanece em processo de reabilitação por um longo período, na expectativa de poderem ser reintroduzidos em seu habitat natural.

Os animais sem condições de soltura constituem o plantel do zoológico que hoje conta com, aproximadamente, 450 animais. São maritacas, papagaios, jaguatiricas, onça-pintada, onças-pardas, cachorro do mato, quatis, macacos, serpentes, pássaros e jabotis que vivem em ambientes preparados especialmente para abrigá-los, oferecendo as melhores condições possíveis em cativeiro. Por meio deste trabalho, e devido ao grande esforço de Educação Ambiental empreendido na região, o Cebus foi reconhecido como zoológico modelo, em Minas Gerais, pelo IBAMA e premiado em 2018 com o Prêmio Hugo Werneck de Sustentabilidade e Amor a Natureza como melhor iniciativa de proteção a Fauna.



Publicidade