Filho substitui pai e mantém tradição de se vestir de Papai Noel e dar presentes

25/12/2019 18:15

A família mantém a tradição de fazer a “Carreata do Noel”

Há anos, uma família de Marliéria-MG, na região do Vale do Aço, faz mais feliz o Natal de crianças do distrito de Cava Grande.
 
O lendário bom velhinho, o “Papai Noel”, já é esperado em todos os anos para alegrar o Natal de centenas de crianças que, neste ano, receberam 460 lembrancinha. 

WhatsApp Image 2019-12-25 at 17.59.33 Em 2017, Walmir, à frente na foto, ajudava seu pai, vestido de Papai Noel. Foto: Arquivo Pessoal

 

Wanessa Paranhos, de 36 anos, é filha do idealizador da iniciativa, Sebastião Viana  Caldeira, de 73 anos, conhecido como Nonô. Ela contou ao Plox  que tudo começou quando era criança. Seu pai se vestia de Papai Noel para entregar os seus presentes e das outras crianças da vizinhança, no bairro João XXIII, em Timóteo, onde residiam. 

WhatsApp Image 2019-12-25 at 18.04.49 Sebastião Caldeira, o Nônô, iniciou a tradição, agora mantida pelo filho Walmir. Foto: Arquivo Pessoal

 

Wanessa disse que a família se mudou para Cava Grande e seu pai parou de se vestir de Papai Noel. Quando ficou grávida, Wanessa teria pedido que seu pai voltasse a se vestir do bom velhinho para que a sua filha, quando nascesse, pudesse receber os presentes das mãos do Papai Noel.

Ela também tinha a intenção de ajudar outras crianças e vê-las felizes, conforme conta. 

Segundo Wanessa, a partir daí todos os anos eles fazem arrecadação de guloseimas e brinquedos e realizam essa ação no distrito. 

WhatsApp Image 2019-12-25 at 18.12.55 Foto: Arquivo Pessoal

 

Ainda segundo Wanessa, após o seu pai ser acometido por câncer de pele e ficar impossibilitado de estar sob a luz solar por muito tempo, ele foi substituído pelo irmão de Wanessa, Walmir Paranhos, de 51 anos. Ele é funcionário da Aperam. Seu pai também foi funcionário da mesma siderúrgica, que fica em Timóteo. 

Wanessa contou que no evento é realizado uma carreata e as crianças recebem o brinquedo e muitas retornam para somente ver o Papai Noel passar.

“Elas guardam as lembrancinhas e voltam para fora de casa para ver o Papai Noel. Às vezes achamos que elas nem ganharam a lembrancinha e acabamos oferecendo outra sem saber e eles dizem que já pegaram, o que destaca a humildade e a honestidade dessas crianças”, disse Wanessa. 

“Para a gente é muito gratificante fazer isso por ser uma cidade muito carente, a gente vê o sorriso de uma criança nem que seja no Natal. O quanto ficam felizes com uma mera lembrança”, completou. 

2b667b6b-13c9-4374-a116-65f3b2c00fef Foto: Arquivo Pessoal

 

Wanessa disse à reportagem que nos últimos anos as lembrancinhas foram compradas pela família, mas que nesse ano contaram com a ajuda de alguns parceiros que se comprometeram a ajudar a levar alegria para esses lares carentes. 

O projeto acabou ganhando apoio de toda a família. Wiviane Paranhos, que também é filha do idealizador e irmã do novo Papai Noel, também abraçou a causa. Seu esposo Marcilio também passou a colaborar, assim como as crianças Nicolas Godinho e Victor Figueiredo de 10 anos e Alicia Paranhos, que tem 7 anos de idade.