Pesquisas revelam melhora da qualidade da vida sexual com o avançar da idade

Estudos contrariam visão tradicional associando sexo à juventude e indicam satisfação sexual crescente após os 40

Por Plox

26/01/2024 08h47 - Atualizado há 3 meses

Contrariando a noção popular que associa a atividade sexual e o prazer erótico principalmente à juventude, estudos recentes indicam uma melhora significativa na qualidade da vida sexual à medida que as pessoas envelhecem. Este fenômeno foi destacado pela apresentadora Angélica em uma entrevista à revista "Marie Claire", onde ela compartilhou sua experiência de uma vida sexual mais gratificante após os 40 anos, após passar pelo climatério prematuro aos 42. Angélica observou, "Quando você começa a se olhar, a se conhecer, a falar sobre o assunto, sobre a mudança na libido, você abre outro universo, onde pode se preocupar com isso. Da forma que for (depois da menopausa), a gente acaba ficando mais livre com o nosso corpo, com aquilo que a gente gosta, quer, com o que aceita ou não. E isso é muito maravilhoso. Aí é claro que a vida sexual vai melhorar, porque você está dando atenção, está olhando para ela, tentando fazer com que ela fique melhor”.

Pesquisas corroboram essa visão. Um estudo realizado pelo Natural Cycles, focado no monitoramento do ciclo menstrual, revelou que suas usuárias, com mais de 36 anos, relataram sentir-se mais atraentes e experimentar melhores orgasmos em comparação com grupos etários mais jovens. Neste grupo, seis em cada dez mulheres relataram aumento na frequência e qualidade dos orgasmos.

 

Percepções do Sexólogo Rodrigo Torres Rodrigo Torres, psicólogo e sexólogo, não se surpreende com esses achados. Ele argumenta que a qualidade da vida sexual tende a aumentar com a idade devido ao maior autoconhecimento e capacidade de expressar desejos e preferências sexuais. "A ideia de que a qualidade da vida sexual aumenta com a idade pode parecer um contrassenso, pois nos apegamos ao mito de que a juventude seria o auge do desejo”, explica Torres. Ele destaca que a atividade sexual não é apenas uma resposta fisiológica, mas também é influenciada por fatores psicológicos, sociais e culturais.

 

Diferenças de Gênero na Experiência Sexual Além disso, Torres aborda as diferenças de experiências sexuais entre homens e mulheres, ressaltando como as normas sociais podem reprimir a sexualidade feminina e impor expectativas de desempenho nos homens. As declarações de Crystal Hefner, viúva do fundador da Playboy, Hugh Hefner, ilustram ainda mais essas dinâmicas, revelando experiências sexuais repetitivas e despersonalizadas.

 

Sexualidade na Terceira Idade Finalmente, é crucial abordar a sexualidade na terceira idade. Estudiosos como Marta Nieto López e Rigoberto López Honrubia, da Universidade de Castilla-La Mancha, destacam que os idosos continuam a ter desejos eróticos, embora muitas vezes negligenciados pela sociedade. Eles apontam que, apesar de possíveis adaptações devido a limitações físicas, o desejo sexual se mantém ativo e é um componente significativo do bem-estar nesta fase da vida.

Concluindo, as evidências sugerem uma visão mais matizada e positiva da sexualidade ao longo da vida, desafiando estereótipos e reconhecendo a importância do autoconhecimento e comunicação para uma vida sexual satisfatória em todas as idades.

 

 

 

Destaques