Estresse crônico tem ligação com crescimento de câncer, diz estudo

a pesquisa utilizou ratos com câncer de mama para investigar como o estresse pode afetar o crescimento tumoral e a metástase

Por Plox

26/02/2024 13h42 - Atualizado há cerca de 2 meses

Pesquisadores do Laboratório Cold Spring Harbor, nos Estados Unidos, apresentaram um estudo inovador que ilumina a compreensão sobre o impacto do estresse crônico no desenvolvimento e progressão do câncer. Publicada na revista Cancer Cell, a pesquisa utilizou ratos com câncer de mama para investigar como o estresse pode afetar o crescimento tumoral e a metástase, especialmente para os pulmões.

Foto: Reprodução/ Pixabay

O experimento dividiu os ratos em dois grupos: um submetido a situações de estresse, como exposição a luzes intermitentes, sons altos e privação alimentar, e outro mantido em condições normais. Os resultados foram claros: aqueles expostos ao estresse não só apresentaram um crescimento tumoral mais acelerado como também um aumento significativo na incidência de metástases pulmonares, chegando a quatro vezes mais que o grupo controle.

 

Foto: Reprodução/ Pixabay

Os cientistas descobriram que o estresse crônico estimula a formação de "redes pegajosas" de neutrófilos, células brancas do sangue essenciais para o combate a infecções e reparo de lesões. No entanto, neste contexto, essas redes acabam facilitando a invasão e disseminação das células cancerígenas nos tecidos. Além disso, observou-se que o estresse reduzia a quantidade de células imunológicas, como células T e NK, ao passo que aumentava os neutrófilos que migram para os tumores, promovendo sua expansão.

A pesquisa também apontou a corticosterona, um hormônio do estresse, como um facilitador na disseminação do câncer e na formação de lesões pulmonares nos ratos. Esses achados são um passo importante para entender a dinâmica entre estresse e câncer, reforçando a necessidade de integrar a gestão do estresse nas estratégias de tratamento e prevenção da doença.

"A redução do estresse deve ser um componente do tratamento e prevenção do câncer", enfatiza a professora Linda Van Aelst, do Cold Spring Harbor Lab. Apesar dos resultados significativos, os pesquisadores ressaltam que, enquanto o estresse parece promover a progressão do câncer, mais estudos são necessários para determinar se o estresse por si só é um fator de risco direto para o desenvolvimento de tumores.


 

Destaques