A Tragédia do Motorista de Aplicativo: Justiça Decide pela Soltura do Suspeito

O suspeito confessou o crime no momento da prisão

Por Plox

26/05/2023 07h12 - Atualizado há 11 meses

Um fato lamentável ocorreu na última terça-feira (23) e está gerando repercussão na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O motorista de aplicativo, Ronieli dos Santos Rodrigues, 35 anos, foi fatalmente ferido durante uma viagem em Ribeirão das Neves, especificamente no bairro Jardim Verona. O suspeito, um jovem de 24 anos, foi liberado por determinação judicial na quarta-feira (24), apesar de sua prisão em flagrante.

 

Foto: Reprodução

Lembrança do Caso

Rodrigues foi surpreendido com dois golpes de faca no pescoço e um no peito, vindo a falecer instantaneamente. Segundo relatos, o carro saiu descontrolado e acabou capotando na Rua 28, com o motorista ainda preso ao cinto de segurança.

Os moradores do bairro Alterosas rapidamente capturaram o suspeito, que ainda estava com o celular que a vítima usava para seu trabalho e vestia roupas manchadas de sangue. O suspeito foi preso em flagrante e possui antecedentes criminais relacionados ao tráfico de drogas.

Detalhes da Investigação

Segundo o boletim de ocorrência da Polícia Militar, o suspeito havia solicitado a corrida de transporte por aplicativo junto com um amigo. Embora o amigo tenha desembarcado no bairro Alterosas, o suspeito prosseguiu a viagem. Após perceber que a corrida não havia sido encerrada, o amigo tentou fazer contato sem sucesso com o motorista e com o aplicativo. Mais tarde, ele ficou sabendo por meio das redes sociais sobre o trágico acontecimento e, ao chegar ao local, identificou seu amigo como o suspeito detido.

Decisão Judicial e Medidas Cautelares

O suspeito confessou o crime no momento da prisão. No entanto, a Justiça determinou sua liberação na quarta-feira (24), justificando que "ele está devidamente identificado e qualificado nos autos, possui endereço fixo, é primário e, a princípio, as circunstâncias indicam que é suficiente a fixação de medida cautelar em meio aberto neste primeiro momento".

A Justiça impôs algumas medidas cautelares ao suspeito, entre elas a necessidade de comparecer a todos os atos do processo, a proibição de envolvimento em novos delitos, a obrigação de manter seu endereço e telefone atualizados, e a restrição de não se ausentar da região metropolitana sem autorização do juízo por mais de 30 dias.

Perda e Luto

Ronieli, que trabalhava como caminhoneiro e complementava sua renda como motorista de aplicativo, deixou esposa e três filhos. Casado há oito anos, ele era conhecido em sua comunidade. A perda de Ronieli e a subsequente libertação do suspeito reacendem a discussão sobre segurança para motoristas de aplicativo e as decisões judiciais em casos de crimes violentos.

 


 

Destaques