Assassino de advogada do MEC pode ter matado várias mulheres

A polícia chegou até o cozinheiro após ter visto imagens do circuito de segurança nas quais a advogada Letícia aparecia entrando no carro do acusado

Por Plox

26/08/2019 20h54 - Atualizado há mais de 4 anos

O assassino confesso da advogada do MEC Letícia Souza Curado, de 26 anos, e Genir  Pereira de Sousa, de 47 anos, pode ser um “Serial killer.”, afirmou a delegada-chefe da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá), Jane Klébia. 

Segundo a policial, após a confissão de Marinésio dos Santos Olinto, de 41 anos, a polícia trabalha com a suspeita de que ele seja o responsável por outros vários casos de mulheres desaparecidas na região.

Acusado de matar leticia
Marinésio confessou ter matado as duas mulheres - Foto: PCDF

Assim como a advogada, que ficou desaparecida por um tempos e foi encontrada morta, a outra vítima do cozinheiro, Genir Pereira de Sousa, também ficou desaparecida, até que seu corpo foi encontrado em 12 de junho deste ano.

Genir
Genir também foi morta pelo cozinheiro desempregado - Foto: FaceBook

Ela trabalhava como funcionária de uma pizzaria e estava desaparecida desde o dia 2 de junho. A patroa dela fez a denúncia do desaparecimento, após estranhar sua ausência, já que não comparecia a pizzaria há algum tempo. 

O assassino confesso Marinésio foi detido no último domingo. Ele teria levado os investigadores ao local onde cometeu o crime e matado a advogada. O cozinheiro desempregado afirmou ter oferecido carona para jovem em um ponto de ônibus, dizendo que a levaria até a rodoviária de Paranoá. No caminho, ele teria tentado assediá-la. Por a advogada não ter aceitado, ele resolveu matá-lá.
 
Ainda de acordo com os depoimentos, Marinésio teria esganado a advogada, que após ser morta, foi colocada por ele dentro de uma manilha às margens de uma estrada, na região onde funciona a sede da seita Vale do Amanhecer, na cidade satélite de Planaltina. 

Os pertences da advogada foram encontrados no porta-luvas do carro do cozinheiro, que confessou ter furtado os materiais. 

A polícia chegou até o cozinheiro após ter visto imagens do circuito de segurança nas quais a advogada Letícia aparecia entrando no carro do acusado em um ponto de ônibus no setor Araponga. As imagens são da manhã de sexta-feira (23). 

De acordo com declarações do delegado-chefe da 31ª DP, Fabrício Augusto Machado, a advogada teria ido sozinha até o ponto de ônibus, de onde seguiria para o trabalho na Esplanada dos Ministérios.
A mãe, que a aguardava para o almoço por volta do meio dia, estranhou a ausência da filha e começou a ligar e mandar mensagens.
 
Pelas imagens, foi possível aos investigadores perceber que um veículo de cor prata teria parado no ponto de ônibus. Ao abordar o suspeito em um veículo Blazer, de cor prata, placa JFZ 3420-DF, foram encontrados, no porta luva do carro, alguns objetos, que pertenceram a advogada. Dentre eles, uma bolsa com fichário, material escolar, um relógio e outros objetos pessoais.

celelular leticia
Foto: FaceBook

No banco traseiro do veículo estava o celular da advogada. 

Ao ser questionado, inicialmente o cozinheiro desempregado disse que havia comprado os objetos.

O suspeito é casado e tem uma filha de 16 anos. Ele não tinha passagens pela Polícia.

A advogada deixou o marido e um filho de 3 anos.
 

Destaques