Inquérito sobre incidente com baleia envolvendo Bolsonaro é concluído sem indiciamento

Ex-presidente e seu advogado não são acusados após investigação de aproximação de moto aquática com baleia jubarte

Por Plox

27/03/2024 09h53 - Atualizado há 3 meses

Após concluir as investigações sobre um episódio no qual o ex-presidente Jair Bolsonaro foi acusado de se aproximar indevidamente de uma baleia jubarte enquanto pilotava uma moto aquática, a Polícia Federal (PF) decidiu não indiciar o político. O fato, ocorrido em São Sebastião, litoral de São Paulo, agora está nas mãos do Ministério Público Federal (MPF), que pode solicitar novas investigações, arquivar o caso ou propor uma denúncia à Justiça Federal.

AGÊNCIA BRASIL

Detalhes da investigação e possíveis desdobramentos

A controvérsia teve início em junho do ano passado, quando Bolsonaro foi filmado aproximando-se da baleia a uma distância estimada em 15 metros, violando a lei que exige uma distância mínima de 100 metros com o motor ligado. Além do ex-presidente, Fabio Wajngarten, seu assessor e advogado, também envolvido no episódio, não foi indiciado. Bolsonaro, que prestou depoimento por aproximadamente duas horas na sede da PF em São Paulo, teve sua defesa comentada por seu advogado, Daniel Tesser, ao final do interrogatório. Tesser expressou expectativa de arquivamento, defendendo que o ex-presidente tomou as precauções necessárias ao avistar a baleia, conforme estipulado pela legislação.

Destaques