Prisão para quem não usar máscara, impeachment descartado e mortes por Covid-19 continuam a aumentar

Por Plox

27/04/2020 22h03 - Atualizado há quase 4 anos

No Distrito Federal, as máscaras passam a ser de uso obrigatório. Quem não estiver usando poderá ser preso pelo crime de infringir determinação do poder público ou propagação de doença contagiosa.

A determinação prevê multa para quem frequentar espaços públicos sem usar a proteção. A penalidade será aplicada a partir de quinta-feira (30). A multa pode chegar a 2 mil reais e o decreto também prevê a detenção de um ano para quem descumprir a norma.

Haverá a distribuição de máscaras, de graça, pelo governo do Distrito Federal a todas as pessoas.

O Ministério da Saúde atualizou os dados da pandemia no Brasil. Tivemos mais 4.613 casos confirmados nas últimas 24 horas. Ainda está ocorrendo um número grande de mortes. Foram 338 registradas, somente nas últimas 24 horas. A primeira morte por Covid-19 no Brasil ocorreu em 17 de março. De lá pra cá, ou seja num intervalo de aproximadamente 40 dias, morreram ao todo até agora 4.543 pessoas. O número de pessoas contaminadas pela doença já se aproxima de 70.000 pessoas em todo o país.

A boa notícia é que 50% das pessoas que foram contaminadas já se curaram, isso representa mais de 30 mil casos.

Uma outra boa notícia também é que todos os pacientes que foram diagnosticados com o novo coronavírus que estavam hospitalizados em Wuhan, na China, o epicentro da pandemia, tiveram alta dos hospitais, segundo anunciou ontem, domingo (26), Mi Feng, porta-voz da Comissão de Saúde Nacional daquele país.. 
 
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, descarta no momento, a aceitação de pedidos de impeachment já protocolados contra o presidente Jair Bolsonaro ou a instalação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar a demissão do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, que ocorreu na última sexta-feira (24). 

“É legítimo os parlamentares tentarem discutir CPI e outros instrumentos, mas a Câmara, sob minha presidência, deve tratar do que é importante neste momento. Devemos voltar para a agenda que preocupa a todos os brasileiros, que é o enfrentamento ao novo coronavírus. Não que os outros temas também não preocupem, mas precisam ter paciência para analisar a situação. O Parlamento não pode ser mais uma fonte de incertezas”, disse o presidente da Câmara dos Deputados.

Maia ainda disse que a crise é do poder Executivo e deve ficar lá. O papel do Legislativo é discutir soluções para a crise”.

Ocorreu hoje a primeira coletiva da área técnica do Ministério da Saúde após a saída de Luís Henrique Mandetta. 
Estavam presentes o ministro da Saúde, Nelson Teich, o secretário de vigilância em saúde, Wanderson de Oliveira e o novo secretário executivo, Eduardo Pazuello, que entrou no lugar de João Gabbardo. 

O novo secretário se apresentou e ressaltou que o Brasil é imenso e tem medidas continentais, dessa forma as decisões devem ser bem pensadas.  

O ministro Nelson Teich disse que não haverá nenhuma medida intempestiva e apressada sobre o isolamento social. Teich disse ainda que cada região deve adotar medidas diferentes. Dada as devidas proporções do nosso país, não haverá uma medida única a respeito do isolamento social.

O dólar interrompeu a sequência de altas consecutivas, registrou pequena queda de 0,07% nesta segunda-feira e fechou a R$ 5,66. 

A leve queda ocorreu após o real ter a maior desvalorização semanal ante o dólar em 11 anos. Essa supervalorização da moeda americana ocorreu em meio à turbulência política que ocorreu no fim da semana passada.

Destaques