Ativistas atacam 'Mona Lisa' no Louvre em protesto por alimentação sustentável

Lançamento de sopa contra quadro de da Vinci gera debate sobre prioridades entre arte e direitos básicos

Por Plox

28/01/2024 09h59 - Atualizado há 6 meses

Em um ato de protesto que se tornou um dos principais assuntos do dia, duas ativistas jogaram sopa no vidro blindado que protege a icônica "Mona Lisa" no Museu do Louvre, em Paris, neste domingo (28). Este acontecimento gerou ampla discussão nas redes sociais e meios de comunicação sobre os limites do ativismo e a importância de questões ambientais e de sustentabilidade. O famoso quadro de Leonardo da Vinci, protegido por um vidro desde 2005, foi alvo de um simbolismo que busca confrontar a preservação da arte com a urgência de direitos básicos como o acesso à alimentação saudável.

Foto: Reprodução de vídeo

Manifestação por Direitos Alimentares 

O grupo francês "riposte alimentaire" assumiu a responsabilidade pelo ato, enviando um comunicado à imprensa. As ativistas, durante o protesto, questionaram: "O que é mais importante? A arte ou o direito a uma alimentação saudável e sustentável?" Essa pergunta ecoa a mensagem do grupo que lançou a sopa como início de uma "campanha de resistência civil", focada na reivindicação de uma alimentação sustentável e acessível a todos. A sala onde se encontra a "Mona Lisa" foi rapidamente evacuada e está em processo de limpeza.

 

Contexto Global de Protestos em Museus 

Esse incidente se insere em uma série de ações similares ocorridas em diversos museus ao redor do mundo. Em outubro de 2022, a obra "Girassóis" de Van Gogh, na National Gallery de Londres, também foi alvo de ativistas do movimento "Just Stop Oil", que jogaram sopa de tomate sobre o vidro que protegia o quadro. 

Destaques