Preço dos apartamentos no Brasil aumenta mais de 50% em cinco anos, aponta CBIC

Estudo revela que a alta reflete aumento dos custos de construção e queda nos estoques de imóveis

Por Plox

28/05/2024 08h56 - Atualizado há cerca de 2 meses

Os preços médios dos apartamentos no Brasil subiram mais de 50% nos últimos cinco anos, conforme revela a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) em seu mais recente levantamento. O índice de preços alcançou 171,9 pontos no trimestre encerrado em março de 2024, uma elevação de 54,4% em relação ao primeiro trimestre de 2019, quando o índice era de 111,35 pontos.

Foto: reprodução/ Pixabay

Fatores que impulsionam a alta dos preços

Renato Correia, presidente da CBIC, explica que “no passado recente, há cerca de dois anos, nós tivemos [...] altas muito expressivas [nos preços] de aço, de cimento, de alumínio e de cobre em função da pandemia. E isso proporcionou uma pressão para que o preço [dos imóveis] aumentasse”. Ele acrescenta que, mesmo com a capacidade de pagamento dos clientes não sendo alterada, o aumento dos custos de construção forçou um reajuste nos preços para manter a margem operacional das empresas.

Outro fator determinante para a recente alta de preços é a queda nos estoques de apartamentos, acompanhada por um número reduzido de novos lançamentos. No primeiro trimestre deste ano, o lançamento de apartamentos residenciais somou 56.355 unidades, uma queda de 9,6% em comparação ao mesmo período do ano passado. Já a oferta final de imóveis registrou uma redução de 12,2%, totalizando 272.708 unidades.

Impacto da oferta e demanda no mercado imobiliário

Fábio Tadeu Araújo, presidente da Brain Inteligência Estratégica, ressaltou que “se ninguém lançasse mais nada hoje, em 9,9 meses acabaria a oferta [os estoques]. Esse é o nosso recorde no sentido de menor tempo de escoamento da oferta [de apartamentos]”. Com a oferta diminuindo e as vendas permanecendo constantes, os preços tendem a subir seguindo a lei de oferta e demanda.

Crescimento impulsionado pelo Minha Casa Minha Vida

O programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV) tem sido um destaque no mercado imobiliário. Com novas regras implementadas pelo governo, que incluem subsídios maiores, juros mais baixos e um aumento no valor máximo do imóvel que pode ser adquirido, houve um aumento significativo nos lançamentos e vendas de apartamentos dentro dessa modalidade.

Os lançamentos no âmbito do MCMV cresceram 24,7% no primeiro trimestre de 2024 em relação ao mesmo período de 2023, enquanto as vendas de apartamentos nessa categoria aumentaram 21,3%. Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP, afirmou que esses números são resultado direto das mudanças no programa e previu uma intensificação tanto nos lançamentos quanto nas vendas de apartamentos no MCMV.

Expectativas para o futuro do mercado imobiliário

Araújo projeta que, ao longo de 2024, haverá crescimento em todos os segmentos do mercado imobiliário, com destaque para as unidades do MCMV, que já representam 47% do total de lançamentos. Ele prevê que a modalidade pode superar outros segmentos no volume de lançamentos ainda neste ano. “Praticamente metade do mercado já é Minha Casa, Minha Vida, e a possibilidade é inverter logo no primeiro semestre, passando a ter mais lançamentos já no segundo semestre”, concluiu.

 

 

 

Destaques