Retorno de Bernardinho à CBV desencadeia debates sobre poder e política interna

Retorno oficial do técnico gera discussões sobre influência e gestão na Confederação Brasileira de Voleibol

Por Plox

28/12/2023 08h35 - Atualizado há 5 meses

Bernardo Rocha de Rezende, conhecido como Bernardinho, retornou oficialmente ao comando técnico da seleção brasileira masculina de voleibol, uma decisão que reacende debates sobre as dinâmicas políticas e de gestão na Confederação Brasileira de Voleibol (CBV). A nomeação, confirmada pela gestão de Radamés Lattari na CBV, marca um retorno controverso após um período dirigindo a seleção da França.

 

Foto: Divulgação

Contexto e Implicações Políticas

Bernardinho, uma figura central no voleibol brasileiro, com um histórico de conquistas expressivas, havia deixado a posição para treinar a seleção francesa. Seu retorno ao Brasil e à CBV, segundo informações divulgadas, sempre esteve nos planos, apesar das negativas públicas da entidade. O técnico teria mantido influência nos bastidores, mesmo durante sua ausência formal, indicando uma continuidade de poder e influência que agora se confirma com seu retorno.

O blog que revelou a nomeação apontou que, além das questões técnicas, há um forte componente político na decisão. A relação entre Bernardinho e Radamés Lattari, atualmente desgastado e politicamente isolado na direção da CBV, sugere um jogo de interesses e poder. Especula-se que o retorno de Bernardinho poderia estar atrelado a acordos políticos e compromissos assumidos em eleições passadas dentro da entidade.

Repercussões e Expectativas

A confirmação de Bernardinho como técnico até 2032 levanta questões sobre o futuro processo eleitoral da CBV, previsto para 2025. Há preocupações quanto à transparência e à democracia interna da confederação, especialmente entre os Presidentes de Federações do Norte e Nordeste, que se sentem traídos pelo curso das decisões.

Além disso, o retorno de Bernardinho agita o cenário político dentro da CBV, com figuras como Gustavo Laranjeira, filho de Toroca, expressando oposição ao técnico. A situação também pode impactar outras figuras influentes na entidade, como Rubinho, conhecido aliado de Bernardinho.

O cenário atual reforça a sensação de que, dentro da CBV, decisões estratégicas podem estar sendo conduzidas por interesses pessoais e políticos, em vez de critérios puramente técnicos ou de mérito. Com o retorno de Bernardinho, encerra-se uma novela cujo desfecho já era esperado por muitos, mas que ainda assim traz novas questões e desafios para o futuro do voleibol brasileiro.

 

Destaques