Polícia Militar intensifica fiscalização contra "rolezinhos de moto"

No feriado de Natal, houve a na prisão de mais de cem pessoas e na apreensão de mais de 1,5 mil motocicletas no estado

Por Plox

29/12/2023 19h14 - Atualizado há 6 meses

A Polícia Militar de Minas Gerais lançou esta semana a operação “Ano Novo Seguro” para intensificar a fiscalização contra os "rolezinhos de moto". É uma resposta às ações criminosas que aconteceram em Minas de 24 para 25/12, feriado do Natal, e que foram alvo de operações repressivas por parte da PM, resultando na prisão de mais de cem pessoas e na apreensão de mais de 1,5 mil motocicletas no estado.

Durante a operação Ano Novo Seguro, a PM vai ocupar espaços e áreas urbanas e rodovias para coibir ações criminosas, além de monitorar as redes sociais. É uma ação preventiva de trânsito voltada ao combate à direção perigosa e à perturbação do sossego e que seguirá até a virada do ano.
A arruaça assustou e incomodou moradores de diversas cidades mineiras, como Belo Horizonte, Contagem, Betim, Ibirité, Ipatinga, Governador Valadares, Araxá, Montes Claros, Juiz de Fora e Matias Barbosa. 
Em Ipatinga, os envolvidos deram o nome ao evento não autorizado de “Aquecimento Natalino”. A Polícia Militar (PM) apreendeu dezenas de motos. Além disso, verificou que muitos envolvidos no evento não possuíam a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), além de pilotarem motocicletas com várias irregularidades, como a falta de placas, retrovisores e escapamentos adequados. Na avenida Luiza Nascimbene, no bairro Vila Celeste, a PM também abordou jovens em bicicletas motorizadas realizando manobras perigosas e trafegando na contramão, colocando em risco a segurança no trânsito. Alguns dos condutores tentaram fugir ao notar a aproximação da polícia, mas foram interceptados e tiveram seus veículos apreendidos.
Em Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, 42 motocicletas foram apreendidas e seis pessoas presas durante a operação “Barulho dos Infernos”, que atuou contra participantes do “rolezinho” na cidade. De acordo com a Polícia Militar, cerca de 200 motociclistas se reuniram na noite de Natal. A chamada “galera do grau” está sendo investigada por direção perigosa.
De acordo com o diretor de operações da PMMG, coronel Flávio Godinho, algumas estratégias serão utilizadas pela instituição para ocupação de espaços, tanto nas áreas urbanas quanto nas rodovias, para que atos criminosos como acontecido no Natal não se repitam no Ano Novo.
"Entre as ações planejadas pela PM, haverá o monitoramento de redes sociais pelo serviço de inteligência e aumento do efetivo policial e de viaturas, inclusive motocicletas policiais, além de uso de aeronaves para identificar os possíveis locais de aglomeração para a prática dos chamados ‘rolezinhos’.  Vale destacar que muitas pessoas utilizam as motocicletas para o trabalho e deslocamentos e que a operação terá como foco aqueles que utilizam esses veículos para cometer crimes", destacou.
O que é o ‘rolezinho do grau’?
A prática consiste em uma reunião de  para fazer manobras em vias públicas - normalmente, elas acontecem locais não apropriados,Geralmente, os motociclistas envolvidos encontram-se nas ruas e avenidas, durante as madrugadas, para empinar motos, promover buzinaços, fazer o barulho conhecido como ‘rangangan’ (acelerar a moto ao máximo), entre outros crimes de trânsito. o que pode colocar a vida de pessoas em risco, inclusive a dos próprios participantes. 
Penalidade
De acordo com a comandante do Batalhão de Polícia de Trânsito, tenente-coronel Cláudia Godinho, o condutor que participa na via de eventos organizados sem permissão comete infração gravíssima, que tem como medida administrativa a remoção do veículo, multa no valor de R$ 2.934,70 e suspensão do direito de dirigir.
"O condutor que, além da participação, realizar corrida, disputa ou manobras que coloquem em risco a incolumidade pública e privada, comete crime", enfatizou.
O artigo 308 CTB aborda manobras flagradas em rolezinhos: “Participar, na direção de veículo automotor, em via pública, de corrida, disputa ou competição automobilística ou ainda de exibição ou demonstração de perícia em manobra de veículo automotor, não autorizada pela autoridade competente, gerando situação de risco à incolumidade pública ou privada: Penas - detenção, de 6 (seis) meses a 3 (três) anos, multa e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor”.
Em relação às rodovias, o comandante da 3ª Companhia Tático Rodoviária (GTR) do Batalhão da Polícia Militar Rodoviária (BPMRv), capitão Pedro Henrique Barreiros, ressaltou  que o grupamento conta com o apoio do serviço de inteligência para definição dos pontos principais de patrulhamento e que todas as rodovias e áreas no entorno já estão sendo monitoradas com maior intensidade nessa semana que antecede o final do ano.
"Além das ações da Polícia Militar, a participação da sociedade, por meio de denúncias, é um braço forte da corporação e da segurança pública", afirmou.
 

Destaques