China ultrapassa o Japão como líder mundial na exportação de veículos

Crescimento no setor de veículos elétricos impulsiona a China para a primeira posição em exportações globais de automóveis

Por Plox

31/01/2024 08h31 - Atualizado há 4 meses

A China alcançou uma marca significativa ao superar o Japão como o maior exportador mundial de veículos em 2023, de acordo com dados divulgados pela Associação de Fabricantes de Automóveis da China (CAAM) e pela Associação de Fabricantes de Automóveis (JAMA) do Japão. Este avanço se deve, em grande parte, ao investimento chinês em veículos elétricos, setor no qual as empresas japonesas têm sido mais cautelosas.

Pixabay

Comparativo entre China e Japão Enquanto a China exportou 4,91 milhões de veículos no último ano, o Japão exportou 4,42 milhões, mostrando uma mudança significativa no equilíbrio das forças no setor automobilístico. Curiosamente, as montadoras japonesas, como a Toyota, têm uma presença forte de produção fora do Japão, com a Toyota reafirmando sua posição como líder mundial em termos de unidades vendidas.

Foco em Veículos Elétricos e Híbridos A China tem se concentrado no desenvolvimento de veículos elétricos, enquanto as montadoras japonesas têm priorizado os híbridos, como o famoso modelo Prius da Toyota. As empresas japonesas planejam aumentar sua presença no mercado de carros elétricos, com a Toyota visando vender 1,5 milhão de carros elétricos por ano até 2026.

Inovação em Tecnologia de Baterias A Toyota também está investindo em tecnologia de baterias, com um foco particular em baterias de estado sólido. Esta tecnologia promete carregamento mais rápido e maior autonomia para veículos elétricos. Paralelamente, a empresa chinesa BYD ultrapassou a Tesla como a maior vendedora de veículos elétricos no mundo.

Desafios Regulatórios e Comparação Histórica O sucesso chinês no setor de veículos elétricos levanta questões regulatórias nos mercados ocidentais, com a União Europeia investigando possíveis subsídios anticompetitivos. Isso lembra os desafios enfrentados pelo Japão nos anos 1980, quando começou a exportar automóveis em grande escala. Analistas apontam que o Japão resolveu questões similares ao construir fábricas no exterior.

Destaques