Venda ambulante de alimentos passa a ser serviço essencial em MG

02/07/2020 13:43

A inserção da categoria foi anunciada nesta quinta-feira e determina a adoção dos mesmos protocolos seguidos por restaurantes, bares e padarias

A venda ambulante de alimentos foi incluída pelo Governo de Minas entre os serviços essenciais. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (2) pelo secretário-adjunto de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio.

Anúncio foi feito pelo secretário-adjunto de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio  Foto: Reprodução

Anúncio foi feito pelo secretário-adjunto de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio

Foto: Reprodução

"Pipoqueiro, cachorro-quente, food truck, tudo isso está agora na onda verde, foram considerados como segmentos essenciais", exemplifica Passalio.  Os serviços poderão funcionar desde que sigam as mesmas regras aplicáveis a restaurantes, padarias e bares, que não podem vender produtos para consumo no local.

A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede-MG) ainda anunciou a manutenção da suspensão da Onda Amarela do programa Minas Consciente por mais uma semana. O Comitê Extraordiário Covid-19 do Estado decidiu pela estensão da regra após uma reunião nessa quarta-feira (1), considerando a proximidade do pico de casos, internações e óbitos, previsto para o dia 15 de julho, e a mudança na metodoligia de análise da situação em Minas.

Até esta quarta-feira, 168 prefeituras já haviam oficializado a adesão ao Minas Consciente, impactando cerca de 4 milhões de mineiros. O programa tem quatro fases, desde a que permite somente o funcionamento de serviços essenciais, chamada de Onda Verde, passando pelas ondas Branca e Amarela, até a que permite o retorno de mais setores, denominada Onda Vermelha. Dos 168 municípios que aderiram ao programa, 27 estão na Onda Branca, fase em que as primeiras reaberturas são permitidas. Os demais seguem somente com serviços essenciais abertos ao público.

O Estado regista nesta quinta-feira 50.707 casos e 1.059 óbitos confirmados por Covid-19. O registro de óbitos em 24 horas foi recorde, com 52 mortes.

Fonte: https://www.otempo.com.br/coronavirus/venda-ambulante-de-alimentos-passa-a-ser-servico-essencial-em-mg-1.2355723