MP denuncia ginecologista que teria abusado de 17 mulheres

06/07/2020 22:22

Edilei Rosa de Novaes chegou a ser preso em flagrante no ano passado, depois que uma paciente chamou a polícia após uma consulta

O Ministério Público de Minas Gerais indiciou nesta segunda-feira (6), o ginecologista Edilei Rosa de Novaes, que foi denunciado por 17 mulheres por assédio sexual durante consultas na maternidade Santa Fé, na região Leste de Belo Horizonte. 

De acordo com a denúncia, o crime praticado por Novaes se enquadra no artigo 215 de Código Penal, que consiste em praticar ato libidinoso com alguém, mediante fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação de vontade da vítima.

"A gente não precisa ter vergonha", diz mulher que denunciou médico

Conforme o MP, o médico teria se aproveitado das consultas para abusar das mulheres. A denúncia inclui relatos de quatro mulheres que contaram que o assédio ocorreu entre julho de 2014 e agosto de 2019. Uma delas tinha menos de 18 anos á época dos fatos. 

Edilei foi preso por duas vezes no ano passado Reprodução / Record TV Minas

Edilei foi preso por duas vezes no ano passado

Reprodução / Record TV Minas

Outras 13 mulheres também procuraram a Polícia Civil para relatar queixas parecidas mas, de acordo com o MP, não foi possível denunciar essas condutas porque ocorreram antes de setembro de 2018, quando a ação penal dependia da manifestação de vontade da vítima no prazo de seis meses, exceto quando se tratasse de vítima menor de idade.

No entanto, essas mulheres procuraram a polícia no fim do ano passado, depois que o médico foi preso em flagrante por abusar sexualmente de uma paciente. Ele passou dois dias preso, mas foi liberado após pagar fiança de R$ 20 mil. Edilei voltou a ser preso em dezembro de 2019, mas foi beneficiado por um habeas corpus concedido pela Justiça de Minas.

A reportagem entrou em contato com a defesa de Edilei e aguarda posicionamento sobre o indiciamento do MP. 

Fonte: https://noticias.r7.com/minas-gerais/mp-denuncia-ginecologista-que-teria-abusado-de-17-mulheres-06072020