Ipatinga

acontece

X FECHAR
ONDE VOCÊ ESTÁ?

    Entregadores farão greve nacional contra 'terrorismo dos apps' hoje

    Por melhor remuneração em alta inflação e fim de bloqueios, trabalhadores bloquearão shoppings e mais estabelecimentos

    Por Plox

    11/09/2021 11h40 - Atualizado há 18 dias

    Entregadores de aplicativo de todo o país farão uma paralisação de suas atividades neste sábado (11), demandando o aumento da remuneração pelas corridas, o fim dos bloqueios de contas e contra um sistema recente de agendamento de horários para o trabalho.

    Começando às 10h, o ato contra o que chamam de “terrorismo dos apps” ocorrerá em várias capitais, como São Paulo, Rio de Janeiro, Manaus, Natal, Fortaleza, Goiânia, Salvador, Curitiba, Recife, João Pessoa, Boa Vista e Porto Alegre, e outros municípios de regiões metropolitanas e interior. O término dos atos está previsto para o fim da noite, entre 22h e 23h.

     

    Desde julho de 2020, categoria tem se manifestado pelas capitais brasileiras ALEX SILVA/ESTADÃO CONTEÚDO - 01.07.2020
    Desde julho de 2020, categoria tem se manifestado pelas capitais brasileirasALEX SILVA/ESTADÃO CONTEÚDO - 01.07.2020

     

    A estratégia dos motoboys e bikers desta vez será bloquear as entradas de estabelecimentos com maior volume de pedidos: shoppings, restaurantes e redes de fast food, entre outros.

     

    “Além de corrermos muitos riscos, estamos recebendo muito mal e somos desrespeitados todos os dias pelos aplicativos. A gasolina cada vez mais cara e o custo de vida também. Enquanto isso, as taxas tão lá embaixo. Chega de pagar para trabalhar!”, diz o texto de um comunicado chamando à manifestação.

    Os organizadores relataram que o protesto não é financiado ou sequer conta com participação de sindicatos ou outros grupos, mas articulado por eles próprios ao longo de três meses, em comunicação constante de profissionais de diversos estados e custeado a partir de vaquinhas dos ‘motocas’.

     

    “São os motoboys unidos e revoltados contra a plataforma. Estivemos em vários estados alinhando tudo. Nós mesmos estamos organizando, sem ajuda política nem nada. Fazemos vaquinha online e vamos nos ajudando”, afirmou Nascimento, um dos organizadores, ao R7.

    Demandas

    O aumento do valor oferecido pelas corridas é motivo de protestos na categoria desde julho do ano passado, quando dois grandes atos nacionais aconteceram. A taxa mínima pedida pelos manifestantes é de R$ 10 até 5 km, e mais R$ 2 por quilômetro adicional.

    Segundo os profissionais, a partir do início da pandemia de covid-19, com o aumento do desemprego e a consequente procura de outras pessoas pelo trabalho como entregador de aplicativo, a quantidade de trabalhadores sobre duas rodas subiu e o valor recebido pelas entregas baixou mesmo durante um período de alta inflação.

     

    Outra demanda recorrente é o fim dos bloqueios sem direito à defesa. Neste caso, eles alegam que os aplicativos bloqueiam as contas dos motoboys e bikers sem motivo aparente, impedindo-os de trabalhar.

    Um caso frequentemente relatado são os golpes de usuários, quando um cliente recebe o pedido e afirma no aplicativo que não foi entregue. Segundo os entregadores, isso acarreta automaticamente no bloqueio de sua conta. As plataformas negam esse tipo de ação.

    Os trabalhadores sugerem que o código de recebimento de pedido, medida anunciada recentemente por algumas plataformas, passe a ser aplicado em todas as entregas, o que evitaria os golpes.

    Um sistema de agendamento de trabalho, recentemente criado pela iFood, ao qual os entregadores se opõem frontalmente e se referem como ‘laboratório’, também está na pauta do ato deste sábado. Os motoboys afirmam que, dentro desse método, só conseguem trabalhar aqueles que conseguirem agendar sua jornada com antecedência.

    Posicionamentos

    A reportagem procurou a Amobitec (Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia) e três empresas de aplicativo.

    Em resposta, a Rappi afirmou que dialoga com seus entregadores e, a respeito das taxas de entrega, que o frete é calculado levando em conta diversas variáveis, como dia da semana, zona de entrega, distância percorrida e complexidade do pedido. Porém, não respondeu se avalia um aumento para os trabalhadores.

    Acerca dos bloqueios, a empresa alega que possui um canal para que os profissionais contestem possíveis falhas. As descrições do caso, prints de chats e outras informações, prossegue a nota, devem ser enviados à Central de Ajuda, “que revisará a situação, revertendo eventuais bloqueios indevidos”.

    Fonte: https://noticias.r7.com/cidades/entregadores-farao-greve-nacional-contra-terrorismo-dos-apps-hoje-11092021
    PLOX BRASIL © Copyright 2008 - 2021[email protected]