Governo quer congelar reajuste de aposentadoria por dois anos

15/09/2020 10:01

Equipe econômica de Bolsonaro avalia desvincular os benefícios previdenciários do salário mínimo. No primeiro dia de reabertura de postos do INSS, segurados dão de cara na porta

O governo Bolsonaro, para aprovar o programa Renda Brasil, que vai substituir o Bolsa Família e incluir mais 7 milhões de pessoas no projeto assistencial, quer congelar os reajustes de aposentados e pensionistas do INSS por dois anos. E como funcionaria essa "matemática" da equipe econômica do ministro Paulo Guedes? Segundo o secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, isso se daria com a desvinculação de benefícios previdenciários, como aposentadorias e pensões, da correção do salário mínimo.

INSS manteve reabertura de postos mesmo sem médicos peritos. Resultado: fila nas calçadas e muita gente sem atendimento. Presidente do INSS pede desculpas - Cléber Mendes

INSS manteve reabertura de postos mesmo sem médicos peritos. Resultado: fila nas calçadas e muita gente sem atendimento. Presidente do INSS pede desculpas - 

"A desindexação que apoiamos diretamente é a dos benefícios previdenciários para quem ganha um salário mínimo e acima de um salário mínimo, não havendo uma regra simples e direta (de correção). O benefício hoje sendo de R$ 1.300, por exemplo, no ano que vem, ao invés de ser corrigido pelo INPC, seria mantido em R$ 1.300. Não haveria redução, haveria manutenção", disse Rodrigues.

Mas no que depender do presidente do Sindicato Nacional de Aposentados, Pensionistas e Idosos (Sindnapi), João Batista Inocentini, a proposta não passará. "Já perdemos o ganho real do mínimo, agora querem congelar o aumento? Não vão mesmo", advertiu Inocentini, que repudia a ideia aventada pelo governo.
"O impacto do congelamento dos benefícios não vai afetar só o bolso do aposentado. Vai refletir diretamente em 80% dos municípios brasileiros, que veem na renda do aposentado a principal forma de sobrevivência", alerta o presidente do sindicato.

Caso a proposta siga adiante e seja aprovada, as aposentadorias seriam congeladas no valor atual. Hoje 70% dos beneficiários do INSS recebem o piso, que está em R$ 1.045. Ou seja, 24,5 milhões de pessoas.
Atualmente, os valores de aposentadorias e pensões são reajustados de acordo com o salário mínimo, ou seja, anualmente. Como a Constituição determina o reajuste do mínimo pelo menos pela inflação, os benefícios também são corrigidos pelo INPC.

Segundo Rodrigues, a ideia é debatida com a Casa Civil e a Cidadania, mas ainda não foi fechada nenhuma decisão sobre a medida.

Reabertura de postos do INSS é marcada por fila e desinformação

A reabertura de postos do INSS sem perícia médica, conforme o jornal O DIA antecipou na edição de sábado, provocou aglomeração e deixou os segurados sem saber o que fazer diante dos portões fechados. Natalícia Correia dos Santos, de 86 anos, moradora de Duque de Caxias, era uma das pessoas que foi pega de surpresa e deu de cara na porta. Ou melhor, de cara com um cadeado trancando o portão de acesso à agência da Praça da Bandeira.

"Meu marido faleceu em junho deste ano, fiz o comunicado e pedi a pensão por morte. Mas, ao invés de pagar a pensão, suspenderam minha aposentadoria. Para o INSS também estou morta", lamentou a aposentada.

"Consegui fazer o agendamento na última sexta-feira e minha mãe estava marcada para hoje (ontem) as 11h20 mas não fomos atendidos", diz o filho da aposentada, Paulo César Correia, 58.
Para ter o benefício restabelecido, Natalícia não precisa passar por perícia médica, mas sim pelo atendimento. Procurado, o INSS informou que está apurando o caso.

Atendimentos adiados e sem prazo para voltar
Na última sexta-feira, ao anunciar a reabertura dos postos em coletiva via Youtube, o presidente do INSS, Leonardo Rolim, orientou os segurados que tivessem perícia marcada a reagendar o atendimento. Para quando? É impossível prever.

Com uma fratura não consolidada na perna e de muletas, Carlos André Silva da Costa, 39 anos, de Queimados, tinha atendimento marcado para concessão do auxílio mas não foi atendido no posto da Baixada. "Sofri um acidente quando estava chegando em casa no dia 14 do mês passado. Liguei e marquei, mas não fui atendido", lamenta o rapaz, que foi levado ao posto pela chefe dele, Alexandra Carneiro.

"Meu neto está marcado para amanhã (hoje), mas vim ver se vão manter o atendimento", conta Jorge Luiz Soares, 65, do Irajá. Conforme o previsto, o atendimento na Praça da Bandeira foi desmarcado.

Fonte: https://odia.ig.com.br/economia/2020/09/5989163-governo-quer-congelar-reajuste-de-aposentadoria-por-dois-anos.html#foto=1