Ipatinga

saúde

X FECHAR
ONDE VOCÊ ESTÁ?

    Após grudar o olho com super cola, criança de 2 anos precisa de cirurgia

    O acidente aconteceu na quinta-feira (16/6), em Ceilândia. Desde então, a família busca por soluções em hospitais públicos e privados do Distrito Federal

    Por Plox

    21/06/2022 10h18 - Atualizado há 7 dias

    Após grudar o olho e outras partes do corpo com uma cola instantânea, uma criança de 2 anos precisou de atendimento médico especializado na rede pública do Distrito Federal, e não conseguiu. O acidente aconteceu na última quinta-feira (16/6), em Ceilândia. Até agora a menina espera por uma cirurgia.

     (crédito: Reprodução/Arquivo pessoal)

     

    De acordo com a madrinha da criança, Lia Lucena, 54 anos, ninguém entendeu ao certo como a menina conseguiu pegar o produto e passar no rosto. “Eu não sei se a cola espirrou no olho dela ou se ela pegou o tubo e passou, mas grudou tudo imediatamente. Além dos cílios, a cola atingiu as mãos, a roupa e o corpo dela”, disse Lia.

    E foi dessa forma que o desespero da família começou. No mesmo dia, a criança foi levada para o Hospital de Base, mas a médica responsável pela área pediátrica disse que não poderia fazer nada para ajudar. “A médica disse para passar Coca-Cola (refrigerante) nas mãos e no rosto, e que a gente fizesse compressa com água morna”, explicou a madrinha da criança.

    Mesmo inconformada com a resposta, a família voltou para casa e realizou o procedimento indicado pela profissional. Mas a situação piorou. Na sexta-feira (17/6), o rosto da criança amanheceu inchado. Os responsáveis decidiram procurar o Hospital Regional da Asa Norte (Hran), porém, a tentativa foi frustrada mais uma vez.

    “Por conta do feriado, só tinha um médico atendendo e ele disse que era necessário fazer cirurgia, mas que não poderia realizar o procedimento no Hran. Desta forma, ele escreveu um encaminhamento para o Hospital de Base, e nós voltamos para lá”, comentou Lia Lucena.

     

    Com esperança, a terceira tentativa da família foi de novo em vão. “A médica que nos atendeu disse novamente que era pra esperar, porque até domingo a cola poderia sair por completo do corpo da minha afilhada, mas claro que isso não aconteceu. No sábado, o rosto dela amanheceu inchado e vermelho”, completou a moradora de Ceilândia.

    Sem esperança

    Após diversas tentativas, a família resolveu levar a criança para um hospital particular. No atendimento, o profissional de saúde que examinou a criança constatou que ela poderia estar com infecção no olho direito, que estava inchado e vermelho, e, por isso, receitou um antibiótico.

    Mesmo com o uso do medicamento, os olhos da criança continuam grudados. A família não sabe mais o que fazer. Lia Lucena falou ao Correio que nesta segunda-feira (20/6) ela retornou com a afilhada ao Hran e ao Hospital de Base, mas nada aconteceu.

    “Fomos em dois hospitais hoje e retornamos para casa mais uma vez sem solução. Desde quinta-feira estamos nos deslocando de Ceilândia até o Plano Piloto e ninguém nos ajuda. Procurei a mídia porque não sei mais o que fazer, e minha afilhada está sentindo dor. A cola da pele saiu e das mãos também, com removedor, mas como vamos fazer com os olhos?”, indaga a moça.

     

    Outro lado

    O Correio procurou o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF) para entender qual o posicionamento do órgão em relação ao atendimento do Hospital de Base. Por meio de nota, o Iges garantiu que prestou o serviço adequado. Leia na íntegra:

    “O Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (IgesDF) informa que a criança já foi avaliada pela equipe de oftalmologia do Hospital de Base do DF (HBDF) nos dias 16 e 17 de junho, porém, não orientou a realização de cirurgia, e sim compressas mornas e aplicação de pomada local. Nesta segunda-feira, 20 de maio, a criança já está sendo atendida novamente e uma nova avaliação já está sendo feita pela equipe de oftalmologia de plantão, que prestará todos os cuidados necessários”.

    Além disso, a reportagem entrou em contato com a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) questionando o número de médicos atuantes no Hran, mas, até o momento, não houve retorno. O espaço permanece aberto.

    Fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/cidades-df/2022/06/5016688-apos-grudar-o-olho-com-super-cola-crianca-de-2-anos-precisa-de-cirurgia.html
    PLOX BRASIL © Copyright 2008 - 2022[email protected]