Ipatinga

saúde

X FECHAR
ONDE VOCÊ ESTÁ?

    Remédios para emagrecer: quando se tornam um risco para rins e coração

    Conheça os perigos da automedicação, do uso indiscriminado de fórmulas ditas naturais e os problemas que podem ser desencadeados no organismo

    Por Plox

    25/02/2022 13h21 - Atualizado há 4 meses

    Quando usados de maneira indiscriminada, alguns medicamentos podem se tornar perigosos para o coração e também tóxicos para os rins, levando até mesmo à insuficiência renal aguda

    Isso acontece quando os órgãos perdem a capacidade de realizar suas funções básicas. O assunto voltou a ser destaque após a morte recente da vocalista da banda Calcinha Preta, Paulinha Abelha, de 43 anos.

    A artista deu entrada no hospital no dia 11 de fevereiro com inflamações nos rins e no fígado. O quadro se agravou, ao longo dos 12 dias de internação em uma Unidade de Terapia Intensiva, levando a um coma profundo desencadeado por uma lesão cerebral.

    Um dia antes da morte de Paulinha, a equipe médica do Hospital Primavera, de Aracaju, em Sergipe, onde ela estava internada, não descartava a possibilidade de uma intoxicação medicamentosa ter provocado a sequência de lesões renais, hepáticas e neurológicas sofridas pela artista. 

    A equipe também investigou a possibilidade de outros problemas. O que realmente levou à morte da artista ainda não foi identificado.

    remédios para emagrecer

     

    Entenda como funcionam os remédios para emagrecer e quais os riscos para a saúde

    A reportagem conversou com a médica endocrinologista Queulla Garret para entender melhor o funcionamento dos remédios para emagrecer e o que eles provocam no organismo. 

    Segundo a especialista, existem algumas linhas de medicamentos usadas para tratar a obesidade. 

    A Sibutramina, por exemplo, é um inibidor de apetite. Somente pode ser prescrito por um médico endocrinologista e comprado por meio de receita especial. 

    Existem algumas contra-indicações, como a hipertensão e doenças cardiovasculares. Por isso, somente deve ser usado se houver indicação e acompanhamento médico.

    "Existem outros medicamentos mais modernos, liberados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária para serem administrados em tratamentos contra a obesidade. Eles são injetáveis, e têm efeito sistêmico, atuam no bloqueio de apetite, na queima de gordura, que melhora a parte metabólica do paciente. Atuam também no intestino, no pâncreas e no fígado, reduzindo quadros de esteatose hepática, por exemplo", pontuou Queulla.

    Uma terceira linha de tratamento, de acordo com a endocrinologista, é considerada mais simples. São remédios que inibem em torno de 30% a absorção da gordura pelo intestino. 

    "O paciente elimina parte da gordura ingerida pelas fezes. Isso promove melhora do gasto energético. Não tem absorção, entra pela boca e sai por meio das fezes. Não tem efeito sistêmico, sendo o único efeito colateral a diarreia no caso do consumo em excesso de alimentos gordurosos", disse.

    Ainda segundo a médica, nenhuma dessas três linhas de tratamento têm interferência na parte renal. 

    "Claro que se já existe uma insuficiência renal grave no paciente, não serão usados nenhum desses medicamentos, sendo necessário outros tipos de cuidados como um acompanhamento por um endócrino e um nefrologista, trabalhando sempre em  conjunto. Por esse motivo, é fundamental avaliar todo o histórico dos pacientes que chegam em busca de ajuda".

    Fórmulas para emagrecer podem levar a problemas graves

    Queulla enfatiza que problemas costumam surgir por meio de algumas fórmulas, feitas por médicos que não são endocrinologistas e trabalham com a obesidade.

    Geralmente essas fórmulas são manipuladas e compostas por substâncias que são ditas naturais, que não fariam mal para a saúde. 

    "Porém, a mistura de duas ou três substâncias podem se tornar maléficas para o organismo. São misturas de ervas que, às vezes, estão sendo usadas em conjunto com medicamentos, como a sibutramina. O chá verde, com a cafeína associados à sibutramina pode ser muito perigoso. A falta de cuidados com as medicações pode levar à hipertensão arterial e ela tem relação direta com os rins. Uma coisa acaba interferindo na outra, podendo levar a problemas renais", explicou.

    Vale ressaltar que a obesidade é a doença que mais cresce no mundo e no Brasil e junto com ela surge uma corrida contra o tempo para emagrecer. Queulla lembra que é muito importante que as coisas aconteçam no tempo certo, buscando especialistas e orientação médica adequada. 

    "Não se engorda da noite para o dia. Portanto, também não tem como perder peso da noite para o dia. É preciso paciência." 

    Para que o tratamento seja seguro e eficaz, os médicos devem cuidar da cabeça, do coração o dos rins dos pacientes por meio das consultas mensais, de exames de sangue e da medição da pressão arterial. 

    Afinal, como disse a profissional, "os medicamentos são uma ajuda para chegar a mudança do estilo de vida. É preciso criar novos hábitos, ser paciente, adotar uma excelente atividade física... Um dia, a medicação será suspensa, o paciente terá alcançado seu objetivo, mas se ele não tiver mudado por completo, ele voltará a ganhar peso".

     

    Quais são as funções dos rins?

    Os rins são responsáveis pela eliminação de resíduos e líquidos do organismo. Além dessas funções, os órgãos executam outras funções importantes:

    - liberação de hormônios no sangue;

    - regulação da água no organismo e de elementos químicos do sangue como o cálcio, o fósforo, o sódio e  o potássio

    Prevenção

    É importante ficar atento para algumas medidas simples que podem contribuir para o aparecimento de doenças renais:

    - evitar o consumo em excesso de sal, carne vermelha e gorduras;
    - praticar exercícios com frequência;
    - manter o diabetes e a pressão arterial sob controle;

    Relembre o caso

    A vocalista da banda Calcinha Preta, Paulinha Abelha, estava em São Paulo, quando começou a sentir fortes dores no estômago. Já em Sergipe, ela foi levada para a UTI de um hospital particular, onde entrou em coma. Ela precisou de suporte de de aparelhos e de diálise durante a internação.

    A cantora morreu no início da noite desta quarta-feira (23), aos 43 anos. Ela estava internada na Unidade de Terapia Intensiva devido a problemas renais.

     

    Foto: Reprodução / Instagram

    No fim da tarde de terça-feira (22), o neurologista Marcos Aurélio Alves deu detalhes do estado de saúde de Paulinha durante uma coletiva de imprensa no hospital. O médico afirmou que a cantora estava em coma profundo e apresentava lesão cerebral.

    A informação da morte da cantora foi confirmada pela assessoria do Hospital em nota divulgada no perfil oficial do Instagram do grupo Calcinha Preta.

    "O Hospital Primavera comunica, com pesar, que a cantora, Paula de Menezes Nascimento Leca Viana, Paulinha Abelha, faleceu hoje às 19h26 em decorrência de um quadro de comprometimento multissistêmico. Nas últimas 24 horas apresentou importante agravamento de lesões neurológicas, constatadas em ressonância magnética, e associada a coma profundo. Foi então iniciado protocolo diagnóstico de morte encefálica, que confirmou hipótese após exames clínicos e complementar específicos", informou o comunicado.

     

     

     

     

     


     

    Fonte: https://www.folhavitoria.com.br/saude/noticia/02/2022/remedios-para-emagrecer-quando-se-tornam-um-risco-para-rins-e-coracao?fbclid=IwAR19qRJx994pSfVvtIXt_bdZYU6mRbDkTyz-mNu2ViC8SlJeHdAWNxJqPvs
    PLOX BRASIL © Copyright 2008 - 2022[email protected]