Ipatinga

economia

X FECHAR
ONDE VOCÊ ESTÁ?

    Prévia da inflação é a maior para outubro desde 1995, aponta IBGE

    Avanço de 1,2% do IPCA-15 representa uma alta em ritmo maior do que a taxa de 1,14% apurada em setembro

    Por Plox

    26/10/2021 15h53 - Atualizado há cerca de 1 mês

    A prévia da inflação de preços no Brasil avançou 1,2% em outubro. A variação é a maior para o mês em 26 anos e a mais alta desde fevereiro de 2016, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (26) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

    O resultado representa uma aceleração em relação ao salto de 1,14% nos preços apurado para o mesmo período do mês passado. Com a sequência de altas, o indicador agora acumula ganho de 8,3% neste ano e de 10,34% nos últimos 12 meses.

     

    Prévia da inflação é a maior desde fevereiro de 2016 TÂNIA RÊGO/AGÊNCIA BRASIL - 20.05.2020
    Prévia da inflação é a maior desde fevereiro de 2016TÂNIA RÊGO/AGÊNCIA BRASIL - 20.05.2020

     

    Novamente, a disparada no preço da energia elétrica (3,91%) representou o maior impacto individual sobre a prévia da inflação. A alta ocorre em meio à adoção da bandeira tarifária de escassez hídrica, que tem um custo adicional de R$ 14,20 na conta de luz a cada 100 kWh consumidos, o mais alto entre todas as bandeiras.

     

     

    Outra contribuição importante dentro do grupo de habitação, que registrou alta de 1,87% na primeira quinzena de outubro, partiu do gás de botijão, com elevação de 3,8% no período. Trata-se do 17º mês consecutivo de avanço no preço do item, que acumula alta de 31,65% somente neste ano.

    Os combustíveis também seguem em alta (2,03%) e continuam pressionando os preços. A gasolina subiu 1,85% em outubro e acumula ganho de 40,44% nos últimos 12 meses. Etanol (+3,2%), óleo diesel (+2,89%) e gás veicular (+0,36%) ficaram mais caros nos últimos dias.

     

     

     

    Alimentos

    Grupo de destaque na apuração da inflação todos os meses, os alimentos e bebidas saltaram 1,38%, alta influenciada principalmente pela alimentação no domicílio, cuja taxa passou de 1,51%, em setembro, para 1,54%, em outubro.

    O peso no bolso para comer dentro da própria casa partiu das altas registradas no preço das frutas, que ficaram 6,4% mais caras no período. Houve altas também no preço do tomate (23,15%), da batata-inglesa (8,57%), do frango em pedaços (5,11%), do café moído (4,34%), do frango inteiro (4,20%) e do queijo (3,94%).

    Por outro lado, deram um alívio ao bolso das famílias o preço da cebola (-2,72%) e, pelo nono mês consecutivo, o do arroz (-1,06%). As carnes, por sua vez, registraram deflação de 0,31% e ficaram mais em conta pela primeira vez em 17 meses.

     

     

    A alimentação fora do domicílio também acelerou na passagem de setembro (+0,69%) para outubro (+0,97%), principalmente por conta do lanche (+1,71%), cujo preço havia recuado no mês anterior (-0,46%). A alta da refeição (0,52%), por sua vez, foi menor que a observada em setembro (1,31%).

    Fonte: https://noticias.r7.com/economia/previa-da-inflacao-e-a-maior-para-outubro-desde-1995-aponta-ibge-26102021
    PLOX BRASIL © Copyright 2008 - 2021[email protected]