Irã: Trump fala sobre ataque e diz que vai impor novas sanções contra país

08/01/2020 14:21

Publicidade

O presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, discursou no início da tarde desta quarta-feira (8) na Casa Branca, em Washington-EUA, onde falou sobre o ataque feito pelo Irã contra bases utilizadas por soldados americanos no Iraque, na noite dessa terça-feira (7), no horário de Brasília. 

trump Foto: Reprodução/Twitter/Casa Branca

 

Trump anunciou que vai impor novas sanções contra o Irã e enfatizou que enquanto for presidente dos Estados Unidos, o Irã não poderá ter uma arma nuclear. 
 
Como esperado pela comunidade internacional, o presidente Trump adotou um discurso moderado, visando não só o controle da situação mas também entrar bem nas eleições americanas buscando uma reeleição. 
 
Trump confirmou que nenhum soldado americano ou do Iraque morreu nos ataques realizados pelo Irã na madrugada dessa quarta-feira (no horário local). O presidente também disse que as forças americanas “estão preparadas para tudo”, mas declarou que o Irã parece estar recuando. 
 
O presidente Donald Trump também disse que pedirá à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) para intensificar o seu papel no Oriente Médio, além de que irá pedir para que os países remanescentes no acordo nuclear celebrado com o Irã - Alemanha, China, Reino Unido, Rússia e França - o abandone. 

Donald Trump considera que o acordo dá muitos privilégios ao Irã e que alguns itens, como a produção de mísseis balísticos, também deveriam ser controlados pelo tratado. Inclusive, o Irã utilizou um dos tipos de mísseis que o governo norte-americano acha que o acordo deveria controlar, no ataque contra as bases americanas. 
 
Trump disse no discurso que Qasem Soleimani era “o principal terrorista do mundo" e disse suas mãos estavam "encharcadas de sangue". Ele ainda disse que no momento de sua morte ele estava preparando um novo atentado. 
 
O presidente americano também disse o Irã é o principal patrocinador do terrorismo no Mundo e que o país ameaça “o mundo civilizado”. 

» Veja também: Avião Boeing 737 cai e mata 176 pessoas em Teerã
 
No término do discurso, o presidente dos Estados Unidos voltou a adotar uma postura mais moderada, dizendo inclusive que os EUA e o Irã têm o Estado Islâmico como um inimigo em comum e que deviam trabalhar em conjunto nisso e em outros assuntos que são prioridades.
 
Satisfeitos 
 
Analistas e a imprensa internacional, ao analisarem o contexto após o ataque, acreditam que ambos os lados estão felizes com a situação: os americanos mataram aquele que, segundo Trump, “era responsável pelas piores atrocidades cometidas pelo regime iraniano” e as retaliações não tiraram uma vida americana, enquanto o Irã mostrou para o seu povo força e coragem ao bombardear alvos americanos. 
 
O ataque
 
O Irã atacou as bases de Ain Al-Asad e Erbil com dezenas de mísseis balísticos em retaliação à morte do general iraniano Qasem Soleimani. De acordo com diversas fontes e conforme reiterado pelo presidente dos EUA Donald Trump, não houve nenhuma baixa nos exércitos americano e iraquiano no ataque. O Irã teria avisado ao primeiro-ministro do Iraque antes de realizar o ataque.

ataque Foto: Reprodução/Twitter

 

Essas duas bases são consideradas de suma importância para o governo norte-americano no combate ao Estado Islâmico no Oriente Médio. 
 
Trump disse em seu comunicado que os danos causados nas bases norte-americanas foram mínimos e que “isso foi bom para o Mundo”. 



Publicidade